Rádio Observador

Conselho Europeu

Presidente do Concelho Europeu garante ao novo presidente da Ucrânia apoio da União Europeia

Donald Tusk confirmou que as eleições da Ucrânia foram livres e garante que o CE vai apoiar a democracia e economia do país. Zelenskiy destaca a importância da UE para a independência da Ucrânia.

A garantia foi dada por Tusk ao novo presidente ucraniano esta quarta-feira

OLIVIER HOSLET/EPA

O presidente do Conselho Europeu, o polaco Donald Tusk, garantiu esta quarta-feira ao novo chefe de Estado da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, que a União Europeia (UE) continuará a apoiar a democracia e a economia ucranianas.

“O facto de estar a visitar a capital da UE e a sede da NATO na sua primeira deslocação ao estrangeiro é um sinal forte e importante”, declarou Donald Tusk, numa conferência de imprensa realizada após o encontro com o Presidente ucraniano.

Tusk afirmou que as eleições ucranianas “livres e justas” recentemente realizadas são “a melhor prova daquilo que a Ucrânia alcançou (…) tendo em conta as difíceis circunstâncias de segurança, políticas e económicas” que enfrenta o país, nomeadamente “as ameaças contínuas” à integridade territorial.

Volodymyr Zelenskiy, um reconhecido ator e comediante na Ucrânia, ganhou a segunda volta das presidenciais ucranianas no passado mês de abril com mais de 73% dos votos.

Na reunião em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu manifestou a Zelenskiy o apoio europeu à Ucrânia e aos ucranianos, “que fizeram um grande progresso na reforma do país desde a ‘Revolução da Dignidade’ [protestos antigovernamentais também conhecidos por Euromaidan] há cinco anos”.

“Também abordamos as ameaças à segurança da Ucrânia em curso. A UE vai continuar empenhada na soberania da Ucrânia, na sua independência e integridade territorial”, prosseguiu Tusk, aproveitando a ocasião para condenar, uma vez mais, os decretos assinados pelo Presidente da Rússia, Vladimir Putin, que visam a simplificação do acesso à cidadania russa pelos ucranianos, nomeadamente aos moradores das áreas separatistas pró-russas de Donbass, no território ucraniano.

Volodymyr Zelenskiy defendeu, por sua vez, que a integração europeia é uma garantia para a independência do Estado ucraniano, bem como “uma garantia de prosperidade da nação ucraniana e um pré-requisito para um rápido crescimento económico e tecnológico”.

O novo chefe de Estado ucraniano destacou ainda os seus planos para combater a corrupção e para “consolidar o apoio internacional à favor da independência e da integridade territorial” da Ucrânia.

Em concreto, Zelenskiy pediu à UE que continue “a consolidar os respetivos esforços internacionais e a intensificar as sanções” em favor da paz na Ucrânia.

“A UE sempre estará determinada em ajudar a Ucrânia a reforçar a sua democracia e o Estado de Direito, a combater a corrupção, a estabilizar a sua economia e a prosseguir com as reformas no setor energético”, realçou Tusk, finalizando que Bruxelas continuará empenhada com o acordo de associação com Kiev e no apoio financeiro para a estabilização do país “apesar da agressão russa” e da guerra no leste do território ucraniano.

A Ucrânia vive num cenário marcado por um prolongado conflito armado com a Rússia e elevados níveis de corrupção. O exército ucraniano e as forças separatistas pró-russas confrontam-se há mais de cinco anos na zona leste da Ucrânia. Segundo Kiev, as forças separatistas são financiadas por Moscovo que acusa o Ocidente de apoiar o exército ucraniano.

A guerra no leste ucraniano já fez cerca de 13 mil mortos e continuam a registar-se confrontos apesar do abrandamento registado após a assinatura dos Acordos de Minsk em 2015 que são constantemente violados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)