Rádio Observador

Lançamentos

Tome nota: estes são os lançamentos de junho

107

Um dos últimos livros de Yukio Mishima (até agora inédito em Portugal), o último romance de Han Kang e uma biografia do poeta Mário Cesariny: eis algumas das novidades literárias deste mês de junho.

O mês de junho fica marcado pela Feira do Livro de Lisboa, que decorre no Parque Eduardo VII até dia 16

A Livros do Brasil vai editar Vida à venda, uma das últimas obras do japonês Yukio Mishima. Farto da sua vida, e depois de uma tentativa frustrada de suicídio, o protagonista Hanio Yamada, um jovem publicitário, decide pôr um anúncio no jornal: “Vendo a minha vida. Pode utilizá-la conforme as suas conveniências”. Publicado originalmente na Playboy japonesa, em 1968, Vida à venda estava inédito em Portugal. A editora vai ainda lançar Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco, que inaugura uma nova coleção dedicada a grandes clássicos da literatura portuguesa.

Pela Porto Editora vai sair o sexto volume da coleção de poesia elogio da sombra, coordenada por Valter Hugo Mãe. Este mês vai chegar às livrarias um volume que reúne a obra poética do pintor, artista gráfico e fotógrafo luso-brasileiro Fernando Lemos. O livro vai ser apresentado no dia 15 de junho, no MUDE, em Lisboa, no âmbito de uma exposição sobre o artista. A Assírio & Alvim vai lançar uma nova edição de Os Lugares do Lumo e Sulcos da Sede, de Eugénio de Andrade, com prefácios de Golgona Anghel e Pedro Mexia, respetivamente. Diz-me que és minha, um thriller psicológico e a estreia da sueca Elizabeth Norebäck, também vai sair pela mesma editora.

A Dom Quixote vai publicar O Livro Branco, o mais recente livro de Han Kang, vencedora do prémio de literatura traduzida para o inglês Man Booker Prize International em 2016, com o romance A Vegetariana (com edição portuguesa também da Dom Quixote). O Livro Branco é, segundo a editora, uma meditação sobre a cor, mas também uma reflexão sobre o luto, o renascimento e a tenacidade do espírito humano. Trata-se de “o mais autobiográfico e simultaneamente experimental livro de Han Kang até ao momento”. Chega às livrarias a 11 de junho.

Pela mesma editora serão lançados ainda dois livros de dois Prémios Nobel da Literatura — As Mais Belas Histórias, do alemão Hermann Hesse, e Peónia, da norte-americana Pearl S. Buck — e ainda uma nova edição de Persona, de Eduardo Pitta. Olga, de Bernhard Schlink, terá edição da ASA, que publicará, também em junho, As Filhas da Floresta, de Alaitz Leceaga.

A Presença vai lançar A Holandesa, de Ellen Keith, enquanto a Esfera dos Livros vai fazer chegar às livrarias Sakura, da espanhola Matilde Asensi. Este último baseia-se na história da compra de O Retrato do Doutor Gachet, de Vincent Van Gogh, pelo milionário japonês Ryoei Sato. A Cavalo de Ferro vai editar A Aventura de um Fotógrafo, de Adolfo Bioy Casares, A Justiça de Yemey, de Ivan Cankar, e Rashomon e Outras Histórias, de Ryunosuke Akutagawa.

Uma das apostas da Elsinore para junho é o romance Até os Cães, de JonMcGregor, duas vezes finalistas do Man Booker Prize (cujos primeiros finalistas de 2019 se conhecerão para o mês que vem). “Intenso, alucinante e escrito com fúria, Até os Cães é uma exploração íntima e destemida da vida nas franjas da sociedade, uma viagem carregada de amor, perda, desespero e uma esperança constante na redação”, resumiu a editora. Além de Até os Cães, sairá pela Elsinore Turbulência, de David Szalay.

A Alfaguara vai publicar Cai a noite em Caracas, de Karina Sainz Borgo, “a história extraordinária de uma mulher lutando pela sobrevivência num dos lugares mais perigosos do mundo: a Venezuela”. A Relógio d’Água vai lançar duas novas edições de Vento, Areia e Amoras Bravas e de O Sermão do Fogo, de Agustina Bessa-Luís, A Balada do Medo, de Norberto Morais, Histórias Falsas, de Gonçalo M. Tavares, e a versão ilustrada de Mataram a Cotovia, de Harper Lee. Pela E-Primatur vai sair o segundo volume da ficção curta completa de H.G. Wells.

A Sextante vai editar Longe de casa, o mais recente romance de Peter Carey, autor de Oscar e Lucinda. Neste novo livro, Carey conta a história de Irene Bobs, que adora conduzir depressa, e do seu marido, vendedor de carros, e Willie, o seu navegador. Os três embarcam numa dura corrida pelo continente australiano, a que poucos sobrevivem.

Oblomov, de Ivan Gontcharov, vai ter uma nova edição, em capa mole e formato de bolso. O clássico da coleção Literatura de Humor da Tinta-da-China vai estar disponível nas livrarias a partir de 14 de junho. A Quetzal vai lançar A Vida Feliz, de Elena Varvello, que a editora descreve como a nova autora sensação em Itália, Teoria da Viagem, de Michel Onfray, e Viagem por África, de Paul Theroux. Estes últimos dois títulos fazem parte da coleção de literatura de viagens Terra Incógnita.

A Vogue chamou-lhe um dos livros mais aguardados de 2019. Feminismo para os 99%, de Nancy Fraser, Tihi Bhattacharya e Cinzia Arruzza, que chega agora a Portugal pela Objetiva, é um manifesto que tem por objetivo “resgatar o verdadeiro propósito das lutas feministas e orientá-las para a reorganização total da sociedade que, beneficie, de facto a maioria da população” e não apenas 1% dela. Diz a sinopse disponibilizada pela editora:

“Habitação a preços incomportáveis, salários no limiar da sobrevivência, saúde privatizada, educação pública negligenciada, horários laborais exigentes, alterações climáticas com consequências catastróficas. A crise que vivemos hoje é transversal a toda a sociedade e os seus efeitos — políticos, sociais e ambientais — têm um impacto brutal e imediato na vida de 99% da população, com particular gravidade para as mulheres.

No entanto, a actual agenda feminista, em vez de difundir medidas verdadeiramente emancipadoras para todas as mulheres, tem preferido concentrar-se na obtenção de maior representatividade das mulheres nos quadros das grandes empresas, reclamando ainda mais poder e vantagem para uma minoria elitista e acomodada. Para resolver uma crise global, não podemos deter-nos nos problemas de apenas 1% da população”.

A Gradiva vai publicar Seis Passeios no Bosque da Ficção, o famoso ensaio de Umberto Eco sobre a forma e método ficcionais, Mentes Tirânicas. Perfis Psicológicos. Narcisimos e Ditadura, de Dean A. Haycock, e Por Um Populismo de Esquerda, de Chantal Mouffe. Pela editora Dom Quixote vai sair O Espião e o Traidor, um livro do jornalismo britânico Ben Macintyre sobre o agente duplo Oleg Gordievsky, que entrevistou na altura da Guerra Fria. Pela E-Primatur vai sair o terceiro volume das obras de Mário-Henrique Leiria, dedicado aos manifestos e textos críticos.

A Temas & Debates vai editar A Geografia do Infante D. Henrique, de Joaquim Martins Ferreira do Amaral, e Aventuras de Um Jovem Naturalista, de David Attenborough. O Triângulo Mágico. Uma Biografia de Mário Cesariny, de António Cândido Franco, vai sair pela Quetzal perto do final do mês, e Como Funciona o Fascismo: A política de Nós e Eles, de Jason Stanley, pela Vogais.

A Desassossego vai publicar Cérebro. Manuel do Utilizador, no qual o autor, Marco Magrini, descreve como funciona o cérebro humano, “estruturando a informação como um livro de instruções de uma máquina de lavar roupa ou de um frigorífico”. Pela mesma editora vai também sair, em junho, Os Médicos da Morte, de Philippe Aziz, “um documento histórico sobre os horrores da medicina nazi durante a Segunda Guerra Mundial”. A obra é baseada e, testemunhos de sobreviventes de campos de concentração, em confissões de médicos das SS e em documentos que sobreviveram ao fim do conflito armado.

A Ideias de Ler, uma chancela do grupo Porto Editora, vai editar Hugo Chávez, o colapso da Venezuela, do jornalista brasileiro Leonardo Coutinho. A Esfera dos Livros vai lançar A Mulher dos Descobrimentos, a biografia da infanta D. Beatriz da historiadora Maria Barreto Dávila. Pela Actual vai sair a sequela de Fogo e Fúria, Trump Debaixo de Fogo, de Michael Wolff. O livro chega às livrarias a 13 de junho.

Já a Editorial Presença vai publicar, neste mês de junho, A História da Europa para Pessoas com Pressa, do historiador inglês Jacob F. Field, que narra os acontecimentos mais importantes do Velho Continente desde a Idade de Ouro da Grécia aos tempos modernos. Por esta editora vai também sair A Nossa Casa Está a Arder. A nossa luta contra as alterações climáticas, o livro oficial de Greta Thunberg, a ativista de 16 anos que foi candidata ao Prémio Nobel da Paz.

Pela Relógio d’Água vai sair Trajectos Filosóficos, de José Gil, Memórias, Sonhos, Reflexões, de Carl Gustav Jung, Topologia da Violência, de Byung-Chul Han, autor de A Sociedade do Cansaço, e Provocações, uma antologia de Camille Paglia. A Tinta-da-China vai lançar Morte à PIDE: A queda da polícia política do Estado Novo, de António Araújo, e Mixórdia de Temáticas: Série Lobato, o novo livro de Ricardo Araújo Pereira.

A Porto Editora vai lançar um livro dirigido aos fãs de David Walliams e do seu universo – O Mundo de David Walliams, Cenas e Coisas. A Nuvem de Letras vai publicar Stephen Hawking, a história do astrofísico brilhante contada aos mais pequenos por Maria Isabel Sánchez Vergara. Também sobre astrofísica é um dos novos títulos da Gradiva para este mês de junho – Astrofísica para Jovens com Pressa, de Neil deGrasse Tysson.

Pela Caminho vai sair Valente, Valentina, de Andreia Nunes e Raquel Caiano, a história de Valentina Vladimirovna — a “Gaivota”, como era conhecida –, a única mulher que esteve sozinha no espaço. A ASA vai editar Ara, a engenheira das estrelas, de Komal Singh.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Rita Cipriano, ilustração de Raquel Martins.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)