Rádio Observador

Emprego

Volkswagen anuncia até 4 mil despedimentos devido a novo plano de digitalização

A Volkswagen anunciou que a empresa prevê até 2023 a destruição de até 4.000 postos de trabalho em unidades "não produtivas" e que prevê também a criação de pelo menos 2.000 novos "empregos digitais".

A empresa eliminará os postos de trabalhos abrangidos seguindo a "curva demográfica" e da "forma mais socialmente responsável possível"

VASSIL DONEV/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O grupo Volkswagen anunciou esta quinta-feira que o plano de digitalização e otimização de processos da empresa prevê até 2023 a destruição de até 4.000 postos de trabalho em unidades “não produtivas”.

Num comunicado, o maior fabricante de automóveis da Europa explicou que a adoção do referido plano também prevê a criação de pelo menos 2.000 novos “empregos digitais”.

O plano é um passo no “roteiro de transformação digital”, foi acordado pela direção e a representação dos trabalhadores e afeta a Volkswagen Passenger Cars, a Volkswagen Group Components e a Volkswagen Sachsen GmbH.

O grupo também anunciou o investimento até 4.000 milhões de euros nestes projetos de digitalização, “principalmente na área de administração, mas também na produção”.

“Consequentemente, até 4.000 empregos em unidades não produtivas na Volkswagen AG Passenger Cars, Vokswagen Group Components e Volkswagen Sachsen GmbGH não serão cobertos nos próximos quatro anos. Um requisito prévio para isto é que sejam redundantes como resultado da digitalização, a otimização de processos e as melhorias organizativas”, explicou a empresa.

Os postos concretos que desaparecerão serão acordados nos próximos três meses e a maior parte dos novos “empregos digitais” serão concentrados em Wolfsburgo, a central do grupo.

O responsável de operações da marca Volkswagen, Ralf Brandstätter, explicou que a empresa eliminará os postos de trabalhos abrangidos seguindo a “curva demográfica” e da “forma mais socialmente responsável possível”.

A empresa também se comprometeu a não realizar despedimentos na Volkswagen AG e na Volkswagen Sachsen GmbH até 2029.

A este respeito, o presidente do Conselho Geral dos Trabalhadores, Bernd Osterloh, valorizou que não vá haver despedimentos obrigatórios em dez anos e o sinal enviado aos trabalhadores com este acordo de que “a digitalização traz mudança, mas os trabalhos na Volkswagen permanecem seguros”.

A direção e os trabalhadores acordaram mesmo assim mais investimentos na denominada ‘Indústria 4.0’ e acréscimos de produtividade associados de 5% ao ano até 2023.

Por outro lado, o orçamento para a formação de trabalhadores incluirá um aumento de 60 milhões de euros, para 160 milhões, para preparar os trabalhadores para a “ofensiva digital” da Volkswagen.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)