Rádio Observador

Poluição

Voluntários recolheram 180 quilos de lixo na praia de Galapos, em Setúbal

1.607

A Liga para a Proteção da Natureza recolheu plástico, papel e vidro. No Dia Mundial do Ambiente, a ação procurou ainda sensibilizar os participantes para a importância de conservar as praias.

Os participantes admitiram que ficaram surpreendidos com a quantidade de lixo encontrada

RUI MINDERICO/LUSA

Uma centena de voluntários recolheu esta quarta-feira quase 180 quilogramas de lixo numa ação de limpeza na praia de Galapos, na Arrábida, em Setúbal, organizada pela LPN, Liga para a Proteção da Natureza, para assinalar o Dia Mundial do Ambiente.

Segundo Ana Sofia Ribeiro, da LPN, os diversos grupos de voluntários que participaram na iniciativa recolheram 7 kg de embalagens de plástico (PET), 13 kg de outros plásticos, 6 Kg de papel, 51 Kg de vidro e 102 kg de lixo indiferenciado.

“O resultado final é bastante positivo. Houve um grande entusiasmo dos participantes e foram recolhidos bastantes resíduos”, disse à agência Lusa Ana Sofia Ribeiro, da LPN, que coordenou o trabalho dos voluntários na ação de limpeza da praia de Galapos, no âmbito do projeto Mares Circulares, da Coca-Cola.

“A nossa preocupação não é apenas a recolha de resíduos mas também a sensibilização das pessoas. E, daquilo que me apercebi, todos os participantes ficaram sensibilizados para a questão dos resíduos na praia e para as práticas da vida diária. Algumas pessoas foram apanhadas desprevenidas, mas saíram daqui mais conscientes para esta causa ambiental”, acrescentou Ana Sofia Ribeiro, que sublinhou também a importância de se explicar às pessoas como é que chega tanto lixo às praias, para que adotem novos comportamentos.

De saco plástico preto na mão, para a recolha de lixo indiferenciado, Hélder Ramos, um dos participantes da iniciativa, ficou surpreendido com a quantidade de lixo recolhida, e devidamente separada – papel, vidro, plástico e indiferenciado – em pouco mais de uma hora, na praia de Galapos, junto à serra da Arrábida.

“O grande objetivo da iniciativa da nossa empresa (Coca-Cola), Mares Circulares, é ajudar-nos a reabilitar as nossas praias, que têm vindo a sofrer alguma degradação devido ao consumo que as pessoas fazem e ao lixo que se gera a partir desse consumo”, disse Hélder Ramos, surpreendido com a quantidade de lixo recolhido em tão pouco tempo – pouco mais de uma hora – na praia de Galapos.

“Apanhámos um bocadinho de tudo. Apanhámos muito vidro, pequenos pedacinhos, plástico, principalmente na parte da mata. Fomos apanhando também muito lixo indiferenciado, muitas beatas de cigarros”, corroborou Bárbara Castro, que também se voluntariou para a ação de limpeza na praia de Galapos.

Maria do Carmo, outra voluntária, não esperava encontrar tanto lixo quando viu o areal, mas percebeu rapidamente que havia muito, principalmente muitos vidros pequeninos, que se tornam perigosos para os utentes da praia. “Quando começámos a pôr as mãos na areia, reparámos que havia muito vidro. Pensávamos que não íamos apanhar muito vidro, mas há muito vidro e muito pequenino, que se torna mais perigoso. E também há muito lixo à volta dos bares, além daquilo que o mar vai empurrando para fora”, disse.

Estreante em ações de limpeza nas praias, Luís Moreira lamentou a fraca consciência ambiental de muitos portugueses. “Ainda há pouca consciência ambiental das pessoas, apesar de estar a crescer. Mas há sempre aquela beata que se apaga na areia. E também há sempre a garrafinha de plástico que também se deixa ficar na praia”, lamentou.

“Ouvimos dizer que há cada vez mais iniciativas de pessoas que fazem running e caminhadas e que, ao mesmo tempo, vão apanhando lixo. Mas eu acho que, antes de sequer apanhar [o lixo], temos de pensar antes de o deitar para o chão, porque mais tarde ou mais cedo, esse lixo volta para nós”, concluiu Luís Moreira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)