Rádio Observador

Huawei

A nova aliança China-Rússia. Huawei assina acordo para desenvolver rede 5G na Rússia

210

A Huawei vai desenvolver a rede 5G na Rússia em 2020 pela operadora MTS. Acordo foi celebrado na quarta-feira entre Putin e Xi Jinping depois de os EUA colocarem a empresa chinesa numa lista negra.

O acordo foi assinado numa reunião entre o presidente chinês e o chefe de Estado russo em Moscovo

Getty Images

A empresa de tecnologia e telecomunicações chinesa Huawei, que Donald Trump e os Estados Unidos consideram uma ameaça, vai desenvolver a rede de nova geração 5G na Rússia. O acordo entre a Huawei e a companhia de telecomunicações russa MTS foi assinado em Moscovo na quarta-feira numa reunião entre o presidente chinês Xi Jinping e Vladimir Putin, avançou a BBC.

O negócio permitirá “desenvolver a tecnologia 5G e o lançamento piloto de redes de quinta geração em 2019-2020” na Rússia, explica a MTS num comunicado emitido na quarta-feira. Ao Observador, a Huawei afirmou através de comunicado que o documento assinado “contempla que as duas empresas desenvolvam o plano de trabalho para 2019-2020, onde a tecnologia e as soluções 5G e IoT [Internet da Coisas, aparelhos conectáveis] serão integradas nas infraestruturas existentes das empresas de telecomunicações”.

Como resultado do nosso relacionamento de longo prazo mutuamente benéfico, a MTS e a Huawei continuam a fortalecer a sua posição nos seus respetivos mercados. O acordo de hoje destina-se a promover o 5G levando a nossa parceria a um novo patamar – ambos impulsionamos a cooperação estratégica entre as duas empresas em alta tecnologia, construindo, assim, uma base para os lançamentos comerciais 5G na Rússia no futuro próximo”, disse em comunicado o presidente da MTS, Alexey Kornya.

O acordo celebrado vai permitir o “desenvolvimento de clusters de testes 5G em segmentos específicos de infraestrutura como comboios de alta velocidade, redes de metro, entre outros”, disse ainda a Huawei.

Guo Ping, presidente do conselho de administração rotativo da Huawei, disse ainda: “Estamos muito satisfeitos por assinar este novo acordo com a MTS, especialmente neste campo de importância vital para o desenvolvimento do 5G (…) Esperamos que os nossos esforços conjuntos ajudem a Rússia a entrar mais cedo na era 5G”.

Quanto a futuros lançamentos de smartphones 5G na Rússia, a Huawei Consumer BG não avançou informações. Em maio, as operadoras britânicas Vodafone e EE suspenderam o lançamento do primeiro smartphone 5G para o arranque este verão das redes 5G no Reino Unido devido à indecisão em relação ao futuro da empresa, apesar de as infraestruturas poderem ainda a vir contar com a tecnologia da empresa chinesa.

No Kremlin, o presidente chinês disse que Putin é “um amigo próximo”. “Vamos fortalecer o apoio mútuo em fatores essenciais”, afirmou o chefe de Estado, sentado ao lado do líder russo. “Avizinham-se medidas de protecionismo, abordagens unilaterais e uma política que force a hegemonia está a tomar lugar cada vez mais”, afirmou ainda Xi Jinping.

O acordo entre China e Rússia surge numa altura em que o executivo de Donald Trump proibiu as empresas norte-americanas de terem acordos com a Huawei. Além do conflito comercial entre a China e a Casa Branca, o presidente norte-americano acusa a Huawei de espiar para Pequim.

O novo acordo que visa desenvolver o 5G na Rússia poderá assim aliviar a Huawei, que está a ser alvo de fortes críticas desde maio. Vários empresas – como a Google ou a Intel- já se afastaram da Huawei devido às declarações de Trump.

De recordar que a relação entre a Rússia e os Estados Unidos também se tem deteriorado nos últimos tempos devido à crise ucraniana e à guerra na Síria. As recentes notícias sobre o envolvimento de Moscovo no resultado das eleições presidenciais norte-americanas de 2016 – onde Trump venceu – também contribuíram para o esfriar das relações entre as duas nações.

O chefe de Estado chinês lembrou ainda que se reuniu com Putin 30 vezes nos últimos seis anos. A visita de três dias de Xi Jinping à Rússia é a oitava desde 2012, refere o The Guardian.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)