Agustina Bessa-Luís vai ser homenageada, no sábado, na Feira do Livro de Lisboa. Pelas 16h30, na praça da editora Relógio d’Água, Lourença Baldaque (neta da autora), Hélia Correia, Maria Filomena Molder, Pedro Mexia, João Miguel Fernandes Jorge, António Barreto e Alexandre Andrade lerão textos próprios ou da autora.

A homenagem acontece numa altura em que a Relógio d’Água se prepara para fazer chegar às livrarias duas novas edições de Vento, Areia e Amoras Bravas e O Sermão do Fogo. O primeiro, a segunda parte da história de Dentes de Rato, conta com ilustrações da filha da escritora, Mónica Baldaque; o segundo, trata-se de um romance originalmente publicado em 1962 e há muito esgotado. A editora conta também publicar, em breve, dois volumes de inéditos, um de contos e outros com a correspondência com o jornalista e escritor britânico Juan Rodolfo Wilcock.

Agustina, um dos nomes maiores da literatura portuguesa contemporânea, morreu esta segunda-feira, aos 96 anos, na sua casa na Rua da Gólgota, no Porto. A autora estava, há muito, afastada da vida pública por motivos de doença. Numa nota publicada no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa disse curvar-se “perante o seu génio”. “Há personalidades que nenhumas palavras podem descrever no que foram e no que significaram para todos nós. Agustina Bessa-Luís é uma dessas personalidades”, afirmou o Presidente.

A Relógio d’Água, que tem a seu cargo, desde 2017, a reedição da sua obra completa, recordou-a como “a maior romancista portuguesa e um dos nossos principais escritores de sempre”.