Rádio Observador

Coreia do Norte

Kim Jong-Un criticou organização de jogos organizados pela Coreia do Norte

Kim Jong-Un não gostou do que viu na inauguração dos "jogos em massa" e criticou o "espírito errado" dos organizadores. A irmã mais nova apareceu pela primeira vez em 50 dias. Jogos foram suspensos.

JORGE SILVA/AFP/Getty Images

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, criticou aquele que é o maior evento cultural e desportivo do país que lidera: os “jogos em massa”, também chamados de “Terra do Povo” que decorrem uma vez por ano. Naquela que é uma crítica sem precedentes, Kim Jong-un, chamou os organizadores do evento — após a inauguração no estádio May Day, em Pyongyang — e disse-lhes estar descontente com o “espírito errado de criação e uma atitude de trabalho irresponsável”.

De acordo com o The Guardian,  as declarações de Kim foram divulgadas pela agência de notícias oficial da Coreia do Norte (KCNA). Já esta quarta-feira, como noticiou a agência Lusa, os jogos foram suspensos. Simon Cockerell, gerente da Koryo Tours, com sede em Pequim, disse que foi informado pelos seus parceiros norte-coreanos que o evento, intitulado “A Terra do Povo”, será suspenso por dias ou semanas a partir da próxima segunda-feira, enquanto os seus responsáveis fazem ajustes nos jogos.

A irmã mais nova de Kim Jong-Un apareceu pela primeira vez depois de não ser vista há mais de 50 dias. Kim Yo-jong, que acompanhou Kim Jong-Un nas duas reuniões com Trump, apareceu sentada ao lado do líder norte-coreano. O The Guardian fala em relatos que dizem que o presidente da Coreia do Norte impôs que a irmã se mantivesse discreta para não enfatizar o fracasso da última reunião com Donald Trump.

Kim terá comentado que os artistas “têm um dever muito importante na construção cultural socialista”, sendo que “estabeleceu tarefas importantes para a implementação correta da política revolucionária do nosso Partido na literatura e na arte”, acrescentou KCNA.

A analista Rachel Minyoung Lee, da North Korea News, citada pelo The Telegraph, lembra que Kim Jong-Un disse que não tolerava “outras maneiras”. Lee acredita que o descontentamento do líder norte-coreano significa que o evento “não era suficientemente coreano”. Ou seja: as coreografias teriam excessiva influência externa.

Nestes jogos, que são propaganda do regime de Kim, milhares de ginastas e dançarinos e os próprios espetadores movem cartazes numa grande coreografia. O evento chegou a estar suspenso durante vários anos, devido ao luto da morte do pai de Kim Jong-un, Kim Jong-il, e só foram retomados em 2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)