Portugal é o oitavo país da União Europeia (UE) com melhor qualidade das águas balneares, com 91,1% das 608 zonas analisadas em 2018 a registarem a classificação de “excelente”, mais do que no ano anterior, divulgou Bruxelas esta quinta-feira.

Segundo dados publicados pela Comissão Europeia e pela Agência Europeia do Ambiente, 554 (91,1%) das 608 zonas balneares portuguesas monitorizadas no ano passado tiveram a classificação de “excelente”, mais do que as 529 (87,7%) de 603 registadas em 2017. Também em 2018, 29 (4,8%) das zonas balneares portuguesas apresentaram uma qualidade “boa”, enquanto nove (1,5%) tiveram a classificação de “suficiente” e duas (0,3%) de “medíocre”.

Outras 14 zonas balneares nacionais não foram classificadas.

Portugal ficou atrás de países como Chipre (onde 99,1% das zonas balneares apresentaram “excelente” qualidade), Malta (98,9%), Áustria (97,3%), Grécia (97%), Croácia (94,4%), Letónia (92,9%) e Alemanha (92,7%). No que diz respeito a este parâmetro das zonas balneares com melhor qualidade, a média da UE foi, no ano passado, de 85,1%, uma subida ligeira (de um ponto percentual) face a 2017.

Com percentagens mais baixas da excelência ficaram, ainda em 2018, a Polónia (28%), Bulgária (52,6%) e Roménia (56%).

Já relativamente aos países com maior número de zonas balneares de água com qualidade “medíocre” foram, no ano passado, Itália (89 zonas balneares ou 1,6%), França (54 zonas balneares ou 1,6%) e Espanha (50 zonas balneares ou 2,2%).

Ao todo, adianta Bruxelas, 95,4% das 21.831 zonas balneares monitorizadas nos 28 Estados-membros satisfazem os requisitos mínimos de qualidade ao abrigo das regras da UE.