Rádio Observador

Vladimir Putin

Presidente russo garantiu que nunca interferiu nas eleições dos EUA

O relatório Mueller acusa a Rússia de interferir nas eleições de 2016. Vladimir Putin garante que Rússia “nunca se intrometeu, não se intromete e nunca se intrometerá em nenhuma eleição”.

YURI KOCHETKOV / POOL/EPA

O Presidente russo, Vladimir Putin, garantiu esta quinta-feira que o seu Governo nunca se intrometeu nas eleições de 2016 nos EUA e pediu “regras comuns” para evitar interferências nos assuntos internos de outros países.

Numa conferência de imprensa com diretores de agências noticiosas internacionais, em São Petersburgo, Vladimir Putin garantiu que o seu Governo “nunca se intrometeu, não se intromete e nunca se intrometerá em nenhuma eleição”.

Desta forma, Putin respondeu ao relatório do procurador especial norte-americano Robert Mueller, que recentemente apresentou provas dessa interferência, acusando 12 agentes de inteligência militar russa de invadir o correio eletrónico de membros do Partido Democrata e de usarem contas falsas nas redes sociais, para influenciar o voto dos eleitores.

“Na Rússia temos a Internet. E os cidadãos russos (…) naturalmente reagem. Exprimem o seu ponto de vista (sobre os candidatos presidenciais nos EUA). Devemos proibir isso? Nos vossos países proíbem os vossos cidadãos de fazer isso sobre a Rússia?”, inquiriu o Presidente russo sobre a hipótese de utilizadores russos terem difundido opiniões sobre as eleições de 2016 nos EUA.

Em tom de contra-ataque, Putin acusou os EUA de interferirem na Venezuela e pediu para que se adotem “regras comuns”, para evitar a tentação de os governos se imiscuírem na vida política de outros países.

“Acordemos regras comuns, estabeleçamos um sistema de controlo, de verificação, de trabalho conjunto”, desafiou o Presidente russo.

Sem dizer que tal é impossível, Putin disse duvidar que haja muitos países a aceitar essas regras, porque “querem conservar em seu poder as ferramentas” de interferência, mas “negam aos outros o direito a usar esses instrumentos”.

As coisas não se fazem assim internacionalmente. Na arena internacional os problemas são resolvidos através do diálogo, tendo em conta os interesses dos outros”, afirmou o Presidente da Rússia, na conversa com os diretores das agências noticiosas.

Putin disse mesmo que já tinha testado esta ideia junto do Governo do então Presidente norte-americano Barack Obama, mas sem sucesso. E pegou no tema da atitude da Casa Branca para repetir as acusações de interferência norte-americana na crise venezuelana.

Putin disse que as sanções dos EUA contra a Venezuela estão a atingir diretamente os cidadãos e concluiu que “a crise venezuelana deve ser resolvida pelo povo venezuelano”, criticando a tentação de uma intervenção externa.

Putin confirmou que tem apoiado o Presidente eleito da Venezuela, Nicolas Maduro, mas disse que se sente “absolutamente neutro” relativamente ao líder da oposição, Juan Guaidó, descrevendo-o como uma “pessoa simpática”, mas cujas reivindicações podem prejudicar o seu próprio país.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)