O presidente da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) defendeu esta quinta-feira, no parlamento, que a saturação do aeroporto de Lisboa tem “graves” implicações para o desempenho operacional das companhias, introduzindo “preocupações financeiras” decorrentes das indemnizações pelos atrasos.

“Tem graves [implicações] para o desempenho operacional das companhias, que se transformam em preocupações financeiras por causa das indemnizações pelos atrasos”, assegurou Luís Ribeiro, durante uma audição parlamentar na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Em resposta aos deputados, o responsável disse ainda que a falta de capacidade do Aeroporto Humberto Delgado pode ainda acarretar consequências ao “nível da segurança”, sublinhando que é necessária uma nova solução ao nível da coordenação dos meios disponíveis.

Defendendo que as condições de segurança estão atualmente garantidas, o presidente da ANAC admitiu que “quando se concentram mais pessoas e equipamentos”, registam-se alguns conflitos.

A solução para estas consequências passa assim por “obras no próprio aeroporto” e pela “construção de uma nova solução para a zona de Lisboa”, vincou.

Questionado sobre os possíveis impactos do ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia), Luís Ribeiro referiu que este processo pode ter implicações ao nível das conectividades e do turismo, assegurando que a autoridade está a acompanhar “a evolução dos trabalhos” ao nível da Comissão Europeia.