A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) exigiu esta quinta-feira uma compensação aos polícias que prestam serviço na Liga das Nações de futebol, alegando que realizam 86 horas de serviço esta semana “sem qualquer contrapartida”.

A exigência desta compensação foi esta quinta-feira enviada, por ofício, à Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, com conhecimento do Ministério da Administração Interna.

No ofício, o maior sindicato da PSP exige que os polícias sejam compensados pelos prejuízos causados pelo excesso de trabalho durante a Liga das Nações de futebol, que leva “alguns polícias a realizarem 86 horas de serviço durante esta semana sem qualquer contrapartida”.

A ASPP considera esta situação incompreensível, uma vez que a PSP está há cerca de um ano a preparar este evento desportivo, que começou na quarta-feira e termina no domingo no Porto e em Guimarães.

“Polícias com folgas cortadas, impedidos de gozar férias e sem receberem pelo trabalho extraordinário prestado demonstra que houve uma preparação insuficiente da operação”, refere a ASPP, acrescentando que os polícias “não podem continuar a ser usados como peças descartáveis em eventos que o país assume”.

A ASPP recorda que este não é caso único, sendo um procedimento que se repete cada vez que há um evento de grande envergadura em Portugal.

Na terça-feira, a direção nacional da PSP assegurou que existem apenas “situações pontuais” de agentes que trabalham além do turno na Liga das Nações de futebol.

“Os turnos e planeamento feito estão bem definidos, são rigorosos. Há apenas situações pontuais de elementos a fazer algumas horas a mais, mas faz parte do planeamento para eventos desta natureza e que os policias da PSP já conhecem”, disse o diretor do gabinete de imprensa e relações públicas da PSP, Alexandre Coimbra.