Rádio Observador

Ministério da Saúde

Sindicatos médicos reúnem-se com tutela para nova ronda de negociações com greve à vista

Marta Temido mostrou-se disponível para reavaliar alguns modelos remuneratórios, afirmando que “o trabalho na saúde é um trabalho particularmente exigente”.

Os sindicatos médicos marcaram uma greve nacional para 2 (SIM) e 3 de julho (FNAM)

Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) e o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) reúnem-se esta quinta-feira com o Ministério da Saúde para negociações, após a ministra ter dito que dificilmente será possível atingir as grelhas salariais exigidas. Na semana passada, no Parlamento, a ministra disse aos deputados que “um dos sindicatos médicos” apresentou uma proposta de tabela salarial que “começa nos 4.284 euros”, e considerou que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) não terá condições para pagar estes salários.

Contudo, na quarta-feira Marta Temido mostrou-se disponível para reavaliar alguns modelos remuneratórios, afirmando que “o trabalho na saúde é um trabalho particularmente exigente” e que, por isso, tem de ter contrapartidas remuneratórias. Os sindicatos médicos marcaram uma greve nacional para dia 2 (SIM — Sindicato Independente dos Médicos) e 3 de julho (FNAM — Federação Nacional dos Médicos), tendo a FNAM marcado também uma manifestação para o último dia.

As duas estruturas sindicais têm prevista uma reunião negocial com o Governo na sexta-feira.

Em comunicado divulgado na terça-feira, a FNAM afirma que esteve reunida no passado fim de semana, em Coimbra, para analisar o resultado de quatro anos de conversações com o Ministério da Saúde e que, apesar de duas greves em 2017 e uma em 2018, o atual Governo “continua a recusar negociar”.

O sindicato considera que em causa estão questões como o limite de 12 horas de trabalho em serviço de urgência, dentro do horário normal de trabalho, com a consequente anulação das atuais 18 horas semanais; o reajustamento das listas de utentes dos médicos de família, privilegiando o critério das unidades ponderadas, e procedendo à diminuição progressiva dos atuais 1.900 para 1.550. Entre as reivindicações estão também “o desencadeamento imediato do processo de revisão da carreira médica e das respetivas grelhas salariais; a criação de um estatuto profissional de desgaste rápido e de risco e penosidade acrescidos, com diminuição da idade de reforma, bem como a abertura imediata de vários concursos de progressão na carreira, de mobilidade e provimento e a reformulação dos incentivos à fixação de médicos em zonas de especialidades carenciadas.

Os médicos exigem ainda a imposição do respeito integral pela legislação laboral médica, através da negociação das normas e disciplina do trabalho médico, “terminando com a violação sistemática do descanso compensatório e dos horários de trabalho”; a atribuição da remuneração pelo exercício das funções de Autoridade de Saúde, prevista na legislação em vigor desde 2009, e a extensão do regime de disponibilidade permanente a todos os médicos da especialidade de Saúde Pública.

O descongelamento da progressão remuneratória para os médicos que transitaram para as 40 horas de trabalho semanal e o desencadeamento do processo negocial de contratação coletiva para os médicos do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), de modo a assegurar-lhes a existência de uma carreira específica, são outras das reivindicações.

A FNAM considera que, “para além da recusa em negociar, este Governo afrontou o sindicalismo médico ao legislar, de forma unilateral, a atribuição de incentivos à mobilidade geográfica de trabalhadores médicos – trazendo maior discriminação – um novo regime jurídico da gestão hospitalar e uma nova regulamentação dos CRI (centros de resposta integrada)”.

A FNAM “responsabiliza inteiramente” o Ministério da Saúde por promover a fuga dos médicos para o sistema privado e para o estrangeiro; a degradação contínua das condições de trabalho, responsável pelo elevado índice de ‘burnout’ na profissão, com consequente desmotivação; a desorganização dos serviços públicos de Saúde, nos Cuidados Primários e Hospitalares e por promover o florescimento de unidades de saúde privadas, ao invés do investimento no Serviço Nacional de Saúde geral, tendencialmente gratuito.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)