A música clássica estará em destaque na primeira edição do ciclo Músicas nas Catedrais, que se realiza a partir de 28 de junho em várias localidades portuguesas, anunciou esta sexta-feira a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). Os concertos no âmbito do ciclo Músicas nas Catedrais, uma parceria entre a DGPC, o Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja e o Teatro Nacional de S. Carlos, vão acontecer entre 28 de junho e 26 de julho em Santarém, Beja, Elvas, Faro, Viseu, Braga, Miranda do Douro e Leiria, de acordo com a DGPC, num comunicado divulgado esta sexta-feira.

Esta iniciativa, que se enquadra no projeto nacional Rota das Catedrais, é coordenada pelo Teatro Nacional de São Carlos, que assegura diretamente alguns concertos através do Coro do Teatro Nacional de São Carlos, em colaboração com a Orquestra Clássica do Sul, a Orquestra Filarmonia das Beiras e a Orquestra do Norte”, refere a DGPC.

Os concertos arrancam a 28 de junho, na catedral de Santarém, com o Coro do Teatro Nacional de São Carlos, que atua depois, a 11 de julho, na catedral de Beja, a 12 de julho, na catedral de Elvas e, a 26 de julho, na catedral de Leiria. Nestes espetáculos, o coro propõe “uma deambulação pela ópera romântica italiana, sublinhando o facto de a religiosidade ter assumido (…) uma particular importância”, nesta expressão.

O alinhamento inclui obras de Giuseppe Verdi, Pietro Mascagni, Gioachino Rossini, Giacomo Puccini e Alfredo Keil.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os concertos prosseguem, a 12 de julho, na catedral de Faro com a Orquestra Clássica do Sul, que “propõe um programa em que energicamente se saúda e louva a Natureza”, com obras de Haydn e Delius, a 19 de julho, na Sé Catedral de Viseu, com a Orquestra Filarmonia das Beiras, que apresentará obras de Bach, Händel e Mozart, e, a 25 e 26 de julho, nas catedrais de Braga e Miranda do Douro, respetivamente, com a Orquestra do Norte, que interpretará obras de Wagner e de Beethoven.

Os espetáculos, que se iniciam todos às 21h30, são de entrada livre, sujeita à capacidade dos espaços.