Rádio Observador

Cultura

Galeria Underdogs inaugura este mês exposição com curadoria de Fat Boy Slim

A exposição “Smile High Club” é gratuita e fica patente até 27 de julho. Terá obras de vários artistas britânicos e curadoria do famoso DJ inglês, que é também colecionador de arte urbana.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa

A galeria Underdogs, em Lisboa, inaugura a 21 de junho uma mostra coletiva com curadoria do DJ britânico Fat Boy Slim, que irá atuar nesse dia no Terminal de Cruzeiros de Lisboa, foi esta sexta-feira anunciado.

“Smile High Club”, de acordo com informação divulgada esta sexta-feira pela galeria, inclui obras dos artistas e coletivos britânicos Andrea Harz, Carrie Reichardt, Chemical X, James Joyce, Jimmy Cauty, Joseph Ford, Marc Vessey, RYCA e The London Police, do norte-americano Ron English e dos portugueses Estúdio Pedrita.

A mostra, de entrada gratuita, estará patente até 27 de julho.

A galeria Underdogs lembra que Fat Boy Slim (Norman Cook) é um “ávido colecionador de arte contemporânea e urbana”, que tem, “no passado, e nas suas próprias palavras, ‘flirtado tentativamente’ com colaborações nas artes visuais”.

“Encorajado pelo seu trabalho com Vhils, Cook foi aliciado a sair da cabine de DJ e a entrar na galeria para fazer a curadoria de ‘Smile High Club’, uma exposição singular inspirada pelo símbolo que ele mais preza, o ‘smiley’ [um círculo amarelo com um sorriso]”, refere a galeria.

O ‘smiley’ é usado por Norman Cook como “logotipo não oficial do seu alter ego musical”, mas também “enquanto mural gigante que decora o telhado da sua casa, motivo da sua única e exclusiva tatuagem, e inspiração para um hábito com 40 anos: o ato de colecionar objetos efémeros, ‘memorabilia’ e arte relacionada com o ‘smiley’”.

No mesmo dia em que “Smile High Club” é inaugurada, Fat Boy Slim tem atuação marcada no Terminal de Cruzeiros de Lisboa.

De acordo com a promotora LX Music, trata-se de “um evento único, carismático e cheio de sensualidade. 700 pessoas no ‘rooftop’ [terraço, em português] mais requintado da cidade, com um dos artistas mais carismáticos de sempre”.

“Neste local inaudito, o batismo é feito por um dos artistas mais icónicos de sempre da música eletrónica, um artista que move gerações, de potencial ilimitado, um mestre, um amigo. Aqui e agora, apresentamos o verdadeiro mago, criador de tendências, um testemunho vivo da evolução musical, Fat Boy Slim”, lê-se na página da iniciativa na rede social Facebook.

A Underdogs é uma plataforma cultural, fundada pela francesa Pauline Foessel e pelo português Alexandre Farto (Vhils), que se divide entre arte pública, com pinturas nas paredes da cidade, exposições dentro de portas (no n.º 56 da Rua Fernando Palha) e a produção de edições artísticas originais.

A plataforma começou em 2015 a organizar visitas guiadas de Arte Urbana em Lisboa.

Atualmente, na galeria está patente “Faces of Society”, da dupla iraniana ICY e SOT, irmãos nascidos em 1991 e 1985, respetivamente, em Tabriz, no Irão, e atualmente a residir em Nova Iorque, que se intitulam “ativistas e artistas”, porque, desde que começaram, em 2006, tentam “abordar assuntos e passar mensagens” através da arte.

Na mostra, patente até 15 de junho, mostram trabalhos novos, nos quais começaram a trabalhar há cerca de seis, oito meses, e nos quais abordam temas como o trabalho, o capitalismo e a igualdade.

Ao longo de cerca de uma década, o trabalho da dupla passou pelo ‘stencil’ (pintura com moldes), mas nos últimos três/quatro anos, contou SOT, decidiram mudar e começar a experimentar outros materiais e técnicas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)