Já era um dos destinos mais exclusivos de Mayfair e agora este hot spot londrino, o segundo restaurante mais antigo da capital britânica, relançado em 2006, eleva ainda mais a fasquia. Nas suas redes sociais, o famoso Scott’s já levantara em maio um pouco do véu sobre aquela que é a novíssima e luxuosa experiência gastronómica: uma sala privativa para oito comensais onde todos os pormenores contam.

Só na decoração do espaço, que não vai além de uns modestos 9 metros quadrados, foram investidos seis milhões de libras (qualquer coisa como 6.7 milhões de euros) e rapidamente o espaço passou a ostentar como cartão de visita “a sala de restaurante mais cara do mundo”. Falamos quase de um pequeno museu, já que nas paredes os clientes poderão apreciar obras de génios como Joan Miró, Pierre-Auguste Renoir, Émile Bernard, Marc Chagall, Camille Pissarro, Kees van Dongen, Émile Bernard, Louis Valtat, Louis Roy, Serge Férat ou Henri Manguin.

A sala do Scott’s, um dos preferidos de Michelle Obama ou Victoria Beckham, recebeu o nome de Platinum Arowana, um peixe raro, em sintonia com o seu carácter único. Os cristais Lalique, a porta com pedras semi preciosas ou as cadeiras de confeção artesanal são outros detalhes que marcam a diferença no recheio.

© Scott’s

Enquanto os olhos comem, é natural que os estômagos também reclamem por alimento, e neste particular também fica prometida resposta à altura. Coube ao chef David McCarthy elaborar um menu especial baseado em espécies raras de peixes e recorrendo à combinação dos mais refinados ingredientes, incluindo caviar e trufas pretas e brancas. Os preços por pessoa começam nos 226 euros.

Os superlativos estendem-se, como seria de esperar, à carta de vinhos, que contempla algumas das mais prestigiadas garrafas do mundo, casos do Jeroboam of Boerl & Kroff 1995.