Rádio Observador

PSD

PSD pede esclarecimentos à ministra da Cultura sobre obras de arte do Museu Berardo

Os deputados do PSD consideram que há contradições em relação ao acordo celebrado entre o Estado e a Associação Berardo e querem ter acesso à documentação de 2006.

Acordo celebrado em 2006 cede 862 obras de uma coleção de arte do empresário José Berardo.

RUI FARINHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os deputados do PSD pediram esclarecimentos à ministra da Cultura sobre as obras de arte do Museu Berardo, por considerar que há contradições em relação ao acordo celebrado entre o Estado e a Associação Berardo.

Num requerimento divulgado esta sexta-feira, o grupo parlamentar do PSD explicou que quer ter acesso a documentação relacionada com o acordo celebrado em 2006 entre o Estado e a Associação Berardo, sobre a cedência de 862 obras de uma coleção de arte do empresário José Berardo.

O PSD quer o “documento que especifique que opções legais tem o Estado ao seu alcance para ficar com a coleção”, quer ainda ter acesso a pareceres jurídicos e à adenda ao contrato de 2006, “relativos às condições em que o atual governo negociou a extensão do acordo”.

À ministra da Cultura, o grupo parlamentar endereça ainda várias perguntas, nomeadamente se José Berardo pode recusar um valor proposto pelo Estado, caso este queira comprar as obras de arte.

“Confirma que (…) a nova adenda de 2016 não assegurou o direito — unilateral e potestativo — de o Estado adquirir a Coleção entre 2017 e 2022?”, perguntou ainda o PSD.

Em 2006, a Fundação Coleção Berardo foi criada com a participação do colecionador, do Estado, através do Ministério da Cultura, e da Fundação Centro Cultural de Belém (CCB), com a missão de criar o Museu Berardo para exibir um acervo inicial de 862 obras da coleção de arte moderna e contemporânea do empresário.

As obras foram então cedidas ao Estado, num acordo de comodato por dez anos, e avaliadas nessa altura em 316 milhões de euros pela leiloeira internacional Christie’s.

A polémica surgiu quando Joe Berardo foi questionado no parlamento sobre as dívidas e disse que a coleção pertencia à associação em seu nome, dando a entender que os bancos não poderão aceder-lhe.

Em novembro de 2016, pouco antes do fim do contrato de dez anos entre as partes, foi negociada e assinada uma adenda ao acordo que determinou o prolongamento por mais seis anos, com a possibilidade de ser renovada automaticamente a partir de 2022, se não houver denúncia nos seis meses antes do fim do protocolo.

Atualmente, o Estado pode perder a opção de compra sobre a coleção de arte de José Berardo caso uma das partes discorde do valor da avaliação, indica a adenda assinada entre ambos em 2016.

Na quinta-feira, numa audição da comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da CGD, o ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) Norberto Rosa afirmou que, se o Estado exercesse a opção de compra da Coleção Berardo, “o produto dessa opção […] reverteria para as respetivas instituições” credoras.

Se “o Estado exercesse essa opção de compra, o produto dessa opção penso que reverteria para as respetivas instituições. Era essa a noção que tínhamos, e era assim que estávamos a trabalhar”, disse Norberto Rosa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)