Rádio Observador

NBA

Raptors voltam a vencer em Oakland e ficam a um triunfo do título da NBA

Nova vitória frente aos bicampeões Golden State Warriors, por 105-92, põe os Toronto Raptors muito perto de um feito inédito: podem tornar-se a primeira equipa canadiana a conquistar a NBA.

MONICA M. DAVEY/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os Toronto Raptors colocaram-se, na sexta-feira, a uma vitória de se tornarem a primeira equipa canadiana a conquistar a Liga norte-americana de basquetebol (NBA), ao voltarem a bater fora os bicampeões em título Golden State Warriors por 105-92.

Com um triunfo em casa, no primeiro jogo, e dois em Oakland, no terceiro e no quarto, os Raptors lideram por 3-1 e podem selar o título na segunda-feira, no regresso a Toronto, perante uns Warriors que precisam agora de fazer o que os Cleveland Cavaliers e LeBron James lhes fizeram na final de 2016.

Kawhi Leonard, autor de 36 pontos e 12 ressaltos, foi a grande figura dos Raptors em todos os momentos, ao conseguir manter a equipa na corrida quando era o único a acertar, ao iniciar a reviravolta e ao ser determinante no momento da ‘fuga’.

O poste suplente espanhol Serge Ibaka foi, desta vez, o maior ‘ajudante’ do ‘Jogador Mais Valioso’ (MVP) da final de 2014, ao marcar 20 pontos, com nove em 12 nos ‘tiros’ de campo. Por seu lado, Pascal Siakam contribuiu com 19 e Kyle Lowry com 10.

Na formação da casa, Klay Thompson voltou e foi o melhor, com 28 pontos, enquanto Stephen Curry, talvez cansado do jogo anterior, esteve desinspirado, apesar dos 27: só acertou nove de 22 ‘tiros’ de campo, incluindo escassos dois ‘triplos’, em nove.

Kevon Looney também regressou nos Warriors e, embora condicionado, contribuiu com 10 pontos e seis ressaltos, enquanto Kevin Durant, o MVP das duas últimas finais, ainda não se estreou na final e poderá mesmo nem chegar a fazê-lo.

Em desvantagem na eliminatória, os locais até entraram determinados, com enorme intensidade defensiva e, mesmo com muitas falhas ofensivas, nomeadamente perdas de bola sem lançamentos, assumiram desde início o comando do marcador.

A diferença chegou a ser de 11 pontos (23-12), já no último minuto do quarto inicial, mas os Raptors, com Leonard a ‘solo’ (14 pontos no primeiro período), reduziram para seis (23-17).

No segundo parcial, os anfitriões mantiveram-se sempre na frente, mas continuaram a acumular ‘turnovers’ e alguns maus lançamentos, pelo que nunca conseguiram fugir muito e o intervalo chegou com apenas quatro pontos (46-42) a separar as duas equipas.

A segunda parte arrancou com dois ‘triplos’ de Leonard, que fez os Raptors passarem para a frente pela primeira vez (46-48) e motivou-os para um grande terceiro período.

Os canadianos ainda voltaram a estar por baixo (55-50), mas rapidamente equilibraram os acontecimentos, para, depois, partirem para uma grande parte final do terceiro período: com um parcial de 15-4, passaram de 63-64 para 67-79.

No início do derradeiro quarto, os Raptors conseguiram aumentar ainda mais o avanço, perante uns Warriors algo desorientados, ofensiva e defensivamente, e venceram de forma convincente, deixando os anfitriões nos 92 pontos.

Jogo na Oracle Arena, em Oakland.

Golden State Warriors – Toronto Raptors, 92-105.

Ao intervalo: 46-42.

Sob a arbitragem de Mike Callahan, Zach Zarba e Eric Lewis, as equipas alinharam e marcaram:

  • Golden State Warriors: Stephen Curry (27), Klay Thompson (28), Andre Iguodala (3), Draymond Green (10) e DeMarcus Cousins (6). Jogaram ainda Kevon Looney (10), Alfonzo McKinnie (2), Shaun Livingston (6), Quinn Cook e Andrew Bogut.

Treinador: Steve Kerr.

  • Toronto Raptors: Kyle Lowry (10), Danny Green (3), Kawhi Leonard (36), Pascal Siakam (19) e Marc Gasol (9). Jogaram ainda Fred VanVleet (8), Norman Powell, Serge Ibaka (20) e Patrick McCaw.

Treinador: Nick Nurse.

Marcha do marcador: 10-7 (06 minutos), 25-17 (primeiro período), 33-27 (18), 46-42 (intervalo), 58-56 (30), 67-79 (terceiro período), 81-93 (42) e 92-105 (resultado final).

Assistência: 19.596 espetadores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)