A Califórnia prepara-se para estender o seu programa de saúde a jovens que vivem ilegalmente no estado norte-americano, cada vez mais distanciado da administração do Presidente Donald Trump.

O acordo alcançado por democratas na tarde de domingo propõe que todos os jovens entre os 19 e os 25 anos, com baixos rendimentos, se tornem elegíveis para o programa Medicaid da Califórnia, seguro de saúde que abrange pobres e portadores de deficiência.

Este grupo de beneficiários vai abranger cerca de 90 mil pessoas, e custar 98 milhões de dólares (87 milhões de euros) por ano, estimaram as autoridades estaduais.

Os deputados deverão aprovar o acordo esta semana.

A medida faz parte de um esforço para garantir que todos na Califórnia tenham seguro de saúde, e faz do estado norte-americano o primeiro no país a oferecer benefícios na área da saúde a pessoas que vivem ou trabalham ilegalmente nos Estados Unidos.

“A Califórnia acredita que a saúde é um direito fundamental”, disse a senadora democrata Holly Mitchell, que liderou as negociações sobre o orçamento para o próximo ano em matéria fiscal.