Rádio Observador

Grécia

Tsipras reúne-se com Presidente da Grécia para confirmar eleições antecipadas

O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras reúne-se com o Presidente para solicitar a dissolução do parlamento e legislativas antecipadas, que deverão decorrer em 7 de julho.

O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras

ORESTIS PANAGIOTOU/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras reúne-se esta segunda-feira com o Presidente para solicitar a dissolução do parlamento e legislativas antecipadas, que deverão decorrer em 7 de julho, na sequência das recentes derrotas eleitorais do partido do Governo.

O Governo grego, dominado pelo partido de esquerda Syriza desde 2015, deveria terminar o mandato em outubro, mas a derrota eleitoral nas eleições europeias e regionais de 26 de maio face à oposição conservadora da Nova Democracia (ND) impeliu Tsipras a anunciar de imediato um pedido de audiência ao Presidente Prokopios Pavlopoulos para a antecipação do escrutínio.

A ND, liderada pelo político conservador Kyriakos Mitsotakis 51 anos, venceu com uma vantagem de quase dez pontos face ao partido de Alexis Tsipras, 44 anos, e que conseguiu garantir desde janeiro de 2015 diversas alianças para obter uma maioria parlamentar.

Nas regionais e municipais, que na Grécia coincidiram com as eleições europeias, os conservadores também venceram na maioria das regiões e municípios gregos, incluindo na capital Atenas.

Em setembro de 2015, apenas seis meses após a sua primeira eleição, Tsipras também optou por convocar de novo os eleitores quando aceitou um terceiro resgate junto dos credores internacionais (UE e FMI), que contrariou os resultados de um referendo sobre as relações com a designada ‘troika’.

Na sequência do escrutínio, e sem maioria parlamentar, Tsipras voltou a formar uma coligação com um pequeno partido soberanista de direita, uma estratégia que implicou críticas de diversos setores.

Nesse período, os gregos ainda eram sensíveis ao seu “carisma” e responsabilizavam os “velhos partidos (ND e Kinal, ex-Pasok) pela grave crise social e económica que atingiu a Grécia.

O país registou uma retoma económica em 2017 e conseguiu sair dos “programas de ajuda externa” no verão de 2018, mas permanece sob apertada vigilância dos credores internacionais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Incêndios

Verões de fogo /premium

Manuel Villaverde Cabral
116

A descrição dos incêndios na Grécia é em tudo idêntica à dos que ocorreram em Portugal há dois anos, mas aqui morreram ainda mais pessoas. Lá o Syriza perdeu as eleições, aqui o PS vai ganhá-las...

Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)