Estados Unidos da América

EUA proíbem embaixadas de hastear bandeira arco-íris para assinalar orgulho gay

1.763

Mike Pompeo considera que só a "bandeira americana" deve ser hasteada nos mastros dos EUA. Democratas e defensores dos direitos LGBT denunciam caso. Pompeo afirma que respeita "a dignidade" de todos.

O senador democrata Ed Markey apela a Trump que revogue a decisão do secretário de Estado

ARIS OIKONOMOU/EPA

O departamento de Estado norte-americano confirmou, na segunda-feira, a controversa decisão do chefe da diplomacia Mike Pompeo de proibir as embaixadas de hastearem a bandeira arco-íris para assinalar o Mês do Orgulho Gay.

Os meios de comunicação norte-americanos noticiaram nos últimos dias que várias missões diplomáticas dos Estados Unidos que queriam hastear a bandeira LBTG para assinalar o Mês do Orgulho Gay, como tinham já feito em anos anteriores, se depararam com uma recusa de Washington. As missões diplomáticas são obrigadas a pedir autorização para hastear qualquer outra bandeira que não seja a bandeira americana.

“O secretário de Estado acredita que, quando se trata de um mastro, só a bandeira americana deve poder aí flutuar”, disse a porta-voz da diplomacia norte-americana, Morgan Ortagus, adiantando que apenas este lugar oficial está abrangido pela proibição. Por isso, acrescentou, “o mês do orgulho homossexual, que está a decorrer, foi celebrado em todo o mundo por numerosos trabalhadores do departamento de Estado e por numerosas embaixadas”. Mike Pompeo “respeita a dignidade de cada indivíduo”, assegurou.

O senador democrata Ed Markey denunciou o que considerou “um ataque flagrante contra os direitos” da comunidade LGBT, apelando à administração de Donald Trump para que “explique o porquê de tanto ódio” e revogue a decisão. Também os defensores dos direitos dos homossexuais protestaram contra esta medida.

O departamento de Estado tinha já sido criticado por ter decidido não atribuir vistos norte-americanos aos parceiros dos diplomatas estrangeiros homossexuais que se instalem nos Estados Unidos a menos que sejam casados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)