Moçambique

PR moçambicano acusa Renamo de ameaçar populações no centro de Moçambique

O presidente Filipe Nyusi disse que há homens da Renamo que estão a ameaçar a população nas províncias de Tete e Manica, em Moçambique, dificultando o desenvolvimento local.

O secretário-geral da Renamo, André Majibire, afirmou que a Renamo não está a ameaçar as populações.

ANTÓNIO SILVA/LUSA

O presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse esta terça-feira que há homens da Renamo que estão a ameaçar a população nas províncias de Tete e Manica, centro de Moçambique, o que a principal força da oposição negou.

“Há homens da Renamo no mato a ameaçar as populações. Temos este problema em Moatize [província de Tete] e no distrito de Bàrué [Manica]”, disse Filipe Nyusi. O chefe de Estado moçambicano falava durante um comício na província de Tete, no centro de Moçambique.

De acordo com Nyusi, as alegadas ameaças do braço armado da Renamo nestas regiões está a atrasar o desenvolvimento local, na medida em que as populações têm medo de circular em determinados pontos.

“Num destes distritos, ficamos durante muito tempo com três a cinco escolas fechadas porque as crianças estavam com medo de ir à escola. Não pode haver moçambicanos a serem proibidos de circular”, afirmou Nyusi, acrescentando que caso a situação continue as autoridades serão orientadas para agir.

Contactado pela Lusa, o secretário-geral da Renamo, André Majibire, considerou lamentáveis as declarações do chefe de Estado e afirmou que a Renamo não está a ameaçar as populações.

“A Renamo é pela paz e os seus soldados são pela trégua. Não existe nenhum militar da Renamo que anda aí a disparar”, disse à Lusa o secretário-geral do partido, que acrescenta que os pronunciamentos do presidente fazem parte de uma propaganda política, quando faltam poucos meses para as eleições gerais.

“No âmbito das negociações, foi criada uma comissão para fiscalizar as tréguas e os acordos. Porque o presidente não falou com a comissão para averiguar estas alegadas ameaças?”, questionou o secretário-geral da Renamo.

O Governo moçambicano e a Renamo continuam a negociar uma paz definitiva em Moçambique, tendo as partes previsto que até agosto, antes das eleições de 15 de outubro, seja assinado um acordo de paz no país.

Um dos pontos mais complexos das negociações tem sido a questão do desarmamento, desmobilização e reintegração dos homens armados da Renamo.

O principal partido da oposição exige a presença dos seus quadros no Serviço de Informação e Segurança do Estado (SISE) e nas academias militares, o que não tem tido resposta por parte do executivo moçambicano.

Além do desarmamento e da integração dos homens do braço armado do maior partido da oposição nas Forças Armadas, a agenda negocial entre as duas partes envolvia a descentralização do poder, ponto que já foi ultrapassado com a revisão da Constituição, em julho do ano passado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

Está Moçambique a gelar relações connosco?

José Ribeiro e Castro
762

Há três anos que o empresário português Américo Sebastião foi raptado, há três anos que o Estado moçambicano continua a resistir e a recusar a cooperação judiciária várias vezes oferecida por Portugal

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)