Rainha Isabel II

Será que Rainha de Inglaterra se queria defender de ‘diabo’ de Donald Trump através da tiara?

199

Isabel II utilizou uma tiara que despertou a atenção pelo simbolismo que lhe é associado: proteção contra o diabo. Os internautas não deixaram passar a oportunidade e brincaram com Trump.

Fãs afirmam que Elizabeth II tem cerca de 41 tiras e que conhece o simbolismo associado a cada uma.

Getty Images

Na segunda-feira, o Palácio de Buckingham recebeu um banquete estadual no âmbito da visita oficial de Trump ao Reino Unido. Como é costume, Isabel II compareceu com uma tiara que se destacou não apenas pelas características estéticas mas porque, segundo garantem os seguidores da família real, o acessório é um “símbolo de proteção contra doenças e contra o diabo”.

Os internautas não deixaram passar a oportunidade e, com humor, lembraram que provavelmente a rainha poderá não ter feito apenas uma escolha estética e inocente, enviando indiretamente uma mensagem a Trump.

Tudo se resume à história que envolve o acessório de diamantes e rubis escolhido, como relata o El País: A “Burmese Ruby and Diamond Tiara”, como é chamada, contem partes de uma tiara que foi dada à rainha em 1947, na época do seu casamento, complementada com 96 rubis que a Birmâna ofereceu a Isabel II nos anos 70. Tudo foi agrupado numa única jóia em 1977 pela Garrard, joalheria histórica britânica.

Num comunicado de imprensa divulgado há alguns anos, a joalheria explicava o simbolismo da peça, referindo que os 96 rubis “protegem da doença e do mal: neste caso, protegem a pessoa que os utiliza dos 96 males que podem afetar os seres humanos”.

Os internautas começaram a suspeitar, assim, que a escolha da rainha Isabel II possa ir ao encontro desse simbolismo, servindo-se do acessórios para uma proteção de potenciais males que Donald Trump poderia carregar. Defendem ainda que a rainha tenha cerca de 41 tiaras e que utiliza cada uma delas não apenas por questões estéticas mas porque conhece o simbolismo associado a cada uma.

O caso gerou discussão, com vários fãs da casa real britânica a defender que a rainha poderia ter escolhido a tiara apenas para conseguir conjugar o azul e branco do seu vestido com o vermelho, utilizando assim todas as tonalidades da bandeira americana.

Não é a primeira vez que os acessórios escolhidos pela rainha britânica geram discussão: No verão de 2018, por exemplo, os palpites surgiram quando Isabel II utilizou uma pregadeira verde, que lhe tinha sido oferecida por Barack Obama, num encontro com Donald Trump.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)