Rádio Observador

Banca

Abanca integra 430 funcionários do Deutsche Bank Portugal

O presidente do Abanca diz que foi concluída a 9 de junho a integração de 69.163 clientes e a equipa de 430 pessoas do Deutsche Bank, acrescentando que a operação local vai ser "100% portuguesa".

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente do Abanca disse esta quarta-feira que foi concluída em 9 de junho a integração de 69.163 clientes e a equipa de 430 pessoas do Deutsche Bank, acrescentando que a operação local vai ser “100% portuguesa”.

Numa conferência de imprensa, na sede do Abanca em Lisboa, o presidente do banco, Juan Carlos Rodríguez, congratulou-se com a conclusão de um processo que considera “importante” e de “valor estratégico enorme” no posicionamento do banco no mercado ibérico.

Juan Carlos Rodríguez referiu também que não vê necessidade de transferir colaboradores de Espanha, uma vez que o banco conta já com 19 anos de presença em Portugal, com uma equipa liderada pelo responsável para Portugal, Pedro Pimenta, que considera capaz de levar o negócio “a bom porto”.

O Abanca conta agora com 70 balcões em Portugal, presentes em 16 distritos, e com 500 colaboradores (os que foram integrados do Deutsche Bank e os que já estavam com o Abanca Portugal), no entanto Juan Carlos Rodríguez não descartou a hipótese de, no futuro, alargarem o número de balcões, marcando presença nos distritos onde ainda não estão.

Em 22 de junho do ano passado, a Autoridade da Concorrência deu ‘luz verde’ à compra do negócio de retalho em Portugal do Deutsche Bank, considerando que o negócio “não é suscetível de criar entraves significativos” à concorrência efetiva nesse mercado.

O Deutsche Bank Portugal transferiu toda a sua carteira de clientes da área de Particulares e de Pequenas Empresas, continuando em Portugal apenas no segmento das Grandes Empresas.

Abanca quer volume de negócios de mais de 9.400 milhões em Portugal

O administrador-delegado do Abanca, Francisco Botas Ratera, disse que, o objetivo, após a integração do segmento de retalho do Deutsche Bank em Portugal, é superar os 9.400 milhões de euros de volume de negócio em 2021.

De acordo com o responsável, em conferência de imprensa na sede do Abanca em Lisboa, o banco traçou como objetivos para a atividade em 2021 “superar um volume de 9.400 milhões de euros de volume de negócio”, ter “5.400 milhões de euros em recursos de clientes e 4.150 milhões de euros em volume de ativos”.

Em relação a outros bancos espanhóis a operar também em Portugal, o Abanca considera ter como vantagens o “conhecimento local que permite dinamizar o financiamento”, a tecnologia, com uma aplicação para telemóveis que é a “mais valorizada para IOS e Android na Península Ibérica” e uma visão internacional, salientou Francisco Botas Ratera.

O Abanca tinha na sua agenda a aposta no mercado ibérico, segundo o presidente daquela entidade, Juan Carlos Rodríguez, também presente na conferência de imprensa, daí terem avançado com a aquisição do negócio português do Deutsche Bank em março de 2018 e em novembro com a compra da operação espanhola da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

“Mantemo-nos sempre alertas e atentos às oportunidades que existem. Já somos um banco com perfil ibérico e Portugal passa a ser a nossa operação internacional mais relevante”, referiu Juan Carlos Rodríguez.

Quando questionado sobre o valor da compra do Deutsche Bank, o presidente do Abanca esclareceu que existe um acordo de confidencialidade, limitando-se a dizer que “foi um bom preço de venda e um bom preço de compra”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)