Rádio Observador

Comissão Europeia

Partido Popular Europeu não tem “plano B” ao alemão Manfred Weber, diz Juncker

O atual presidente da Comissão Europeia diz que os partidos da família política de PSD e CDS têm Weber como escolha única para o seu lugar. Socialistas opõem-se e querem presidência da Comissão.

AFP/Getty Images

O atual presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker afirmou que o Partido Popular Europeu, de centro-direita e direita — e de que fazem parte os partidos portugueses PSD e CDS-PP —, não tem nenhum plano B para a presidência da Comissão além do alemão Manfred Weber.

Juncker acrescentou estar “fortemente a favor” da possibilidade de Weber lhe suceder na presidência da Comissão Europeia e referiu ainda: “Estou muito convicto que ele será um bom presidente da Comissão e que continuará o que tentei começar”, disse esta quarta-feira.

Manfred Weber é há muito o candidato que mais apoios reúne no PPE, mas é alvo da oposição por parte da segunda maior família política no Parlamento Europeia, os Socialistas & Democratas (S&D). Esta inclui o Partido Socialista português.

A objeção foi apresentada, aliás de forma audível, pelo primeiro-ministro português António Costa, no passado dia 28 de maio. Após uma reunião no Conselho Europeu, Costa pronunciou-se publicamente e defendeu que o sucessor de Juncker teria de ter “credibilidade” mas também “experiência governativa”. Tradicionalmente, apontou, este último critério é habitualmente tido em conta para o cargo — porém, isso excluiria automaticamente Weber, como o português aliás reconheceu: “De facto, Manfred Weber não tem essas características”, disse.

Costa tem tentado nos últimos meses reunir apoios e gerar consensos na sua família política na Europa, para melhor controlar a seu favor o tabuleiro de xadrez de Bruxelas. Após a reunião em que o PM português surgiu quase como porta-voz dos socialistas europeus, fonte do Partido Popular Europeu adiantou ao Observador que o português andava “a fazer de polícia mau”, assumindo posições públicas contra Weber (a escolha do PPE), ao passo que ao também primeiro-ministro socialista Pedro Sánchez, de Espanha, cabia o papel de “polícia bom”.

Da reunião de 28 de maio, os socialistas europeus terão saído convictos que a insistência do PPE em indicar Weber para a presidência da Comissão Europeia estava condenada. Uma fonte do PPE avançou mesmo que os “populares” não teriam “problemas em deixar cair Weber” caso tivessem “a garantia” de que continuariam a liderar a Comissão Europeia. A declaração proferida esta quarta-feira por Juncker parece assim indicar que o PPE não tem ainda essa garantia, por um lado — e não está disposto a abdicar da presidência da Comissão Europeia, por outro.

Fontes internas do PPE citadas pelo site especializado em assuntos europeus Politico, contudo, afirmam que estão a aumentar as dúvidas em torno da capacidade de imposição do candidato como escolha forte do PPE, no interior desta família política.

Desde 1995 que o presidente da Comissão Europeia pertence à família política do Partido Popular Europeu. Esta é também a família política atualmente mais numerosa do Parlamento Europeu e a segunda mais representada no Conselho Europeu, a seguir aos liberais, com quem os socialistas poderão fazer uma “geringonça” improvável para enfrentar os “populares”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)