Espanha

Sánchez e Iglesias iniciam conversações para “governo de cooperação”

Pedro Sánchez e o líder do Unidas Podemos, Pablo Iglesias, estiveram reunidos na terça-feira para o arranque das negociações com vista a um "governo de cooperação" que seja "plural" e "integrador".

PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O primeiro-ministro socialista espanhol, Pedro Sánchez, e o líder do Unidas Podemos (extrema-esquerda), Pablo Iglesias, chegaram esta terça-feira a acordo para iniciarem conversações para tentar formar um “Governo de cooperação” que seja “plural, aberto e integrador”.

Depois do encontro entre os dois, tanto Pablo Iglesias como a porta-voz do PSOE (Partido Socialista) no parlamento, Adriana Lastra, sublinharam a disposição dos dois partidos em alcançar um acordo e defenderam que a melhor forma de entendimento seria um “Governo de cooperação”.

Para nós o nome é o menos […], o importante é o conteúdo” desse acordo, insistiu Pablo Iglésias, que defende a inclusão de membros do Unidas Podemos nesse executivo, possibilidade que os socialistas têm recusado, preferindo apenas o seu apoio parlamentar. Na conferência de imprensa que se seguiu à reunião entre Sánchez e Iglesias, a porta-voz socialista assegurou que “não se falou de nomes” e preferiu realçar que o futuro executivo deve ser “plural, aberto e integrador”.

A soma do PSOE (123) e do Unidas Podemos (42) fica 11 votos aquém da maioria absoluta (176) necessária para que Pedro Sánchez seja investido à primeira volta no parlamento. Sánchez terá por isso preciso negociar o apoio de outros partidos ou, na pior das hipóteses, a sua abstenção numa segunda volta, quando apenas precisar da maioria dos votos expressos.

Na quarta e na quinta-feira, o PSOE vai continuar a ronda de conversações com outros partidos de menor dimensão parlamentar. O rei espanhol, Felipe VI, anunciou na passada quinta-feira que Pedro Sánchez era candidato a ser investido, o que deverá acontecer ainda antes de agosto, consoante o resultado das conversações, principalmente com o Unidas Podemos.

A alternativa a uma investidura viável é a repetição de eleições; a alternativa a um Governo socialista é obrigar os espanhóis a voltarem a votar, e que não haja dúvidas que as urnas também têm memória”, afirmou no último fim de semana o responsável pela “máquina” do PSOE, José Luís Ábalos, acenando com o fantasma de eleições para pressionar os restantes partidos.

Nas legislativas realizadas em 28 de abril último, os socialistas foram o partido mais votado, com quase 29% dos votos, mas outros quatro partidos tiveram mais de 10%, acentuando a grande fragmentação política do país. O PSOE tem 123 deputados eleitos (28,68% dos votos), o PP (direita) 66 (16,70%), o Cidadãos (direita liberal) 57 (15,86%), a coligação Unidas Podemos (extrema-esquerda) 42 (14,31%), o Vox (extrema-direita) 24 (10,26%), tendo os restantes sido eleitos em listas de formações regionais, o que inclui partidos nacionalistas e independentistas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)