Redes Sociais

Vídeo manipulado do fundador do Facebook divulgado na rede social Instagram

O vídeo foi produzido através de inteligência artificial com a imagem do fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, pela empresa israelita Canny AI, e pelos artistas Bill e Daniel Howe.

Esses vídeos manipulados são conhecidos como "deepfake" devido às técnicas de inteligência artificial

ETIENNE LAURENT/EPA

Um vídeo manipulado através de inteligência artificial com a imagem do fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, apareceu no Instagram, uma das suas plataformas, divulgaram esta quarta-feira os meios de comunicação norte-americanos. “Imagine isto por um segundo: um homem com total controlo de dados roubados de mil milhões de pessoas, todos os seus segredos, as suas vidas, os seus futuros”, afirma, de forma manipulada, Mark Zuckerberg.

“Eu devo tudo isso ao Spectre. O Spectre mostrou-me que quem controla os dados, controla o futuro”, referiu no vídeo manipulado Zuckerberg. O vídeo foi criado pela empresa israelita Canny AI, e pelos artistas Bill e Daniel Howe.

Além do vídeo de Zuckerberg, foram já apresentados vídeos com o Presidente dos EUA, Donald Trump, o ator norte-americano Morgan Freeman, a celebridade Kim Kardashian ou a artista sérvia Marina Abramovic.

Esses vídeos manipulados são conhecidos como “deepfake” devido às técnicas de inteligência artificial usadas para desenvolvê-los com resultados extremamente realistas.

No mês passado, o Facebook não quis remover de sua plataforma um desses vídeos falsos da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, embora a empresa tivesse assegurado que iria reduzir o alcance do vídeo e bloquear os incentivos económicos, entre outras medidas, como faz em situações semelhantes.

Face ao dilema do que fazer com o vídeo de Zuckerberg, um porta-voz do Instagram assegurou aos media dos EUA que não tinham intenção de eliminá-lo.

“Vamos tratar esse conteúdo da mesma forma que tratamos todas as desinformações no Instagram, se terceiros o marcarem como falso, vamos filtrá-lo de plataformas de recomendação do Instagram como o Explore ou as páginas de ‘tags'”, segundo o Instagram.

A rede social Facebook tem estado imersa em escândalos de privacidade e divulgação de informações falsas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)