Rádio Observador

Hospital de São João

Convite a construtoras feito por Hospital de São João do Porto “levanta dúvidas”

Associação Pediátrica Oncológica do Hospital São João diz que a decisão de convidar 14 empresas de construção a apresentarem candidaturas à empreitada da nova ala pediátrica "levanta sérias dúvidas".

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Associação Pediátrica Oncológica do Hospital São João (APOHSJ), no Porto, considerou esta quinta-feira que a decisão de convidar 14 empresas de construção a apresentarem candidaturas à empreitada da nova ala pediátrica “levanta sérias dúvidas” e pede “celeridade” do processo.

Numa carta enviada à administração do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), a associação fala em “estranheza” pela “adoção de um pré-procedimento” que, do ponto de vista da associação, “carece de enquadramento legal”.

“Os procedimentos de ajuste direto não incluem qualquer fase prévia de análise de candidaturas e só podem — e devem — ser feitos com convite a uma única entidade. Qual, portanto, o enquadramento legal ou regulamentar para o procedimento ‘ad hoc’ de apresentação de candidaturas anunciado?”, questiona a APOHSJ na carta.

Na sexta-feira, o CHUSJ anunciou, em comunicado, que convidou 14 empresas de construção a apresentarem candidaturas à empreitada da nova ala pediátrica, descrevendo a obra como de “especial complexidade técnica” e apontando o seu início para ainda este ano.

Mas, para a APOHSJ, este anúncio “levanta sérias dúvidas” sobre “se efetivamente estão a ser tomados os cuidados necessários a que o procedimento de contratação da empreitada seja conduzido com a necessária e recomendada celeridade”, conforme se lê na carta dirigida à administração do hospital.

A associação criada por pais de crianças com doença oncológica tratadas no São João faz duas questões ao CHUSJ: “como escolherá a única entidade que convidará a apresentar proposta?” e “julga-se que não haverá reação das restantes que, interessadas no projeto e tendo apresentado candidatura, não forem escolhidas para o ajuste direto?”.

“Em terceiro lugar, tem esta associação que notar que se o CHUSJ tiver tantas manifestações de interesse que o levem a conduzir outro procedimento pré-contratual [em vez de um ajuste direto] o benefício da celeridade — absolutamente essencial à rápida execução das obras de construção da Ala Pediátrica — ficará destruído se se convidarem mais entidades a apresentar proposta do que o que é legalmente permitido no caso do ajuste direto”, termina a carta.

Antes, a associação recorda que foi a Assembleia da República quem deu permissão para a utilização de um ajuste direto com o argumento de que este método culminaria na “realização com urgência de um procedimento de contratação pública célere”.

Sobre o convite do CHUSJ, sabe-se que as 14 empresas convidadas foram identificadas pelo grupo de trabalho presidido pelo presidente da Ordem dos Engenheiros/Norte, Poças Martins.

“A coordenação deste grupo por um representante da Ordem dos Engenheiros pretende assegurar a total transparência do processo, bem como o rigor nas decisões técnicas”, descrevia o comunicado da semana passada do São João, acrescentando que o protejo de arquitetura da ala pediátrica está “em fase de revisão técnica, limitando eventuais erros ou omissões, de acordo com as exigências legais em vigor”.

O CHUSJ referia ainda que o processo de construção da ala pediátrica “está a decorrer sem atrasos, prevendo-se o início da obra no decorrer do ano de 2019”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)