Uma criança de 11 anos, de nacionalidade inglesa, foi internada nos cuidados intensivos no Hospital Pediátrico de Coimbra depois de ter sido mordida por uma víbora-cornuda na zona de Penela, na terça-feira. O rapaz está “estável e a evoluir favoravelmente”, informou esta sexta-feira o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), segundo o Correio da Manhã.

A víbora (Vipera latastei) mordeu a mão da criança durante um passeio, com o pai, na zona da Pedra da Ferida, noticiou o Jornal de Notícias. O alerta foi dado pelas 18h25 — o pai da criança levou-a a uma farmácia, onde foi assistida até ser transportada pelos Bombeiros Voluntários de Penela para o Hospital Pediátrico de Coimbra.

O rapaz entrou no hospital “em choque, situação que exigiu intervenção de caráter intensivo a nível hemodinâmico do paciente, com tratamento adequado, prevenindo-se, assim, possíveis complicações graves”, justificando que fica-se internado nos cuidados intensivos.

Apesar de esta ser uma espécie comum em Portugal, cujo veneno é tóxico, mas não letal, “nunca tinha acontecido nada do género nesta zona e não é uma situação nada comum”, disse ao JN Raúl Vasconcelos, comandante dos Bombeiros Voluntários de Penela, que procurou desdramatizar o sucedido: “Não é zona de ter este tipo de animais e pode estar a criar-se um alarme para a população sem necessidade”.

O alerta é deixado pelo CHUC: estas víboras “são perigosas, podem representar risco de vida, havendo por isso a necessidade de recorrer com a máxima brevidade a uma unidade hospitalar”.

Atualizado dia 14 de junho, às 13h50, com a evolução do estado de saúde da criança.