Rádio Observador

Elétricos

Explosão em estação de hidrogénio pára vendas

430

Há quem defenda que o futuro dos veículos eléctricos não passa pelas baterias, mas sim pelas células de combustível a hidrogénio. Explosão numa estação levou Toyota e Hyundai a suspenderem as vendas.

Os automóveis eléctricos são a moda do momento, mas há várias formas de fazer chegar a electricidade aos motores. Actualmente, a mais usual passa por carregar a energia numa bateria, que pode pesar entre 400 ou 600 kg e, a partir daí, alimentar o motor. Uma alternativa, mais leve e mais prática por não necessitar de tanto tempo para recarregar, é produzir a electricidade a bordo a partir de hidrogénio, através de uma célula de combustível. Esta é a tecnologia que a Toyota domina (e prefere) e que seria mais popular caso fosse mais barata, o que os japoneses prometem acontecer em breve.

As células de combustível, ou fuel cells, essencialmente juntam o hidrogénio que transportam no depósito ao oxigénio que retiram do ar para formar água. Sucede que esta operação – o inverso da electrólise da água – liberta energia, que depois é utilizada para alimentar ao motor. É mais prático, pois abastecer de hidrogénio é muito mais rápido do que fornecer electricidade a uma bateria, sendo igualmente mais leve, uma vez que para uma autonomia de 600 km não é necessário arrastar mais de 600 kg, pelo menos com a actual tecnologia de acumuladores.

Contudo, o hidrogénio coloca alguns problemas, primeiro na produção se for gerado de forma não poluente (e com os 98% de pureza necessários para a fuel cell), e depois no armazenamento e transporte – duas soluções bastante dispendiosas e daí que não exista uma rede de distribuição na maioria dos países, a começar pelo nosso. Isto além dos riscos, pois à semelhança da gasolina – ou talvez um pouco pior –, o hidrogénio explode com alguma facilidade, caso se verifiquem certas condições. E foi exactamente o que aconteceu numa estação de abastecimento na Noruega.

A Uno-X, em Baerum, é uma das bombas deste país nórdico em que é possível abastecer com hidrogénio. E como por vezes acontece com as “bombas”, esta explodiu com algum aparato. Não é a primeira vez que uma estação explode, mas é a primeira vez que tal acontece com uma de hidrogénio, o que motivou desde logo alguma apreensão. As causas são ainda desconhecidas, ao contrário das consequências, que passaram pela destruição do local e dois feridos que se deslocavam nas proximidades num veículo não alimentado por hidrogénio. De acordo com a polícia, a explosão foi de tal forma violenta que fez disparar os airbags do veículo à distância, apenas com a deslocação de ar.

Outra das consequências foi a suspensão das entregas de veículos novos a fuel cell por parte da Toyota e da Hyundai, com as unidades já em circulação a estarem condenadas a parar, uma vez que os abastecimentos foram momentaneamente proibidos, até ao apuramento dos factos.

Não parece que este incidente, depois de apuradas as causas, possa beliscar a tecnologia, mas deverá levar a um incremento da segurança ao nível dos postos de abastecimento, pelo menos para atingir o mesmo nível dos veículos.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)