Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo na Costa do Marfim. O pai “era médico, mas preferiu a política”. “Às vezes, cometemos erros”

102

Presidente assistiu na Costa do Marfim à assinatura de um protocolo de acordo entre hospitais. E fez rir a plateia ao dizer que o pai era médico mas Marcelo seguiu a política. Um "erro", brincou.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Presidente da República assistiu esta quinta-feira na Costa do Marfim à assinatura de um protocolo de acordo de cooperação entre o Centro Hospitalar de Lisboa Central e o Hospital Materno-Infantil de Bingerville, obra que elogiou.

Na sua intervenção, o chefe de Estado fez rir várias vezes a assistência, que incluía vários chefes tradicionais, por exemplo, quando contou que o seu pai “era médico, mas preferiu a política”, observando em seguida: “Às vezes, cometemos erros”.

Ou quando abordou a questão da cooperação entre a Costa do Marfim e os franceses e com os portugueses.

“Não queremos substituir os franceses, não”, ressalvou.

Depois de uma pausa, acrescentou: “Eles são insubstituíveis, vocês conhecem-nos”.

O Presidente da República terminou o seu discurso defendendo que cada pessoa só pode ser feliz quando faz os outros felizes e que também cada político deve antes de tudo servir os outros, esteja em funções “por um momento, por um mandato, mais curto ou mais longo”.

Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa elogiou esta obra inaugurada em 2018 e referiu que se trata de “um hospital social, porque não é lucrativo”, que “é uma criação de uma fundação ‘As crianças de África’, que foi lançada pela primeira-dama da Costa do Marfim [Dominique Ouattara] e que atua em onze países”.

“Infelizmente, não é a realidade dominante em África. E as taxas de mortalidade infantil eram dramáticas, daí ter nascido esta iniciativa. E Portugal está a apoiar”, acrescentou.

Na cerimónia em que foi assinado o protocolo, Dominique Ouattara agradeceu uma doação da farmacêutica portuguesa Bial, no valor de um milhão de euros em medicamentos para este hospital, que Marcelo Rebelo de Sousa assinalou igualmente.

A mulher do Presidente Alassane Ouattara disse que esta unidade de saúde localizada no distrito de Abidjan foi “inteiramente financiada por doadores”, recebe atualmente “centenas de doentes por dia” dos quais,” 25% são doentes pobres tratados de forma gratuita”, e que o objetivo é que se torne “um hospital de referência em África”.

Marcelo Rebelo de Sousa também discursou nesta cerimónia, realçando que isso “não estava previsto no programa” da sua visita de Estado à Costa do Marfim, e deixou palavras de elogio “do coração” sobre a concretização deste “grande sonho” de que Dominique Ouattara lhe tinha falado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

A beira do precipício

José Ribeiro e Castro

A visão da beira do precipício serve para despertar. Se não querem deixar Portugal totalmente submetido à esquerda, PSD e CDS têm de fazer mais no tempo que falta. Sobretudo fazer melhor. E desde já.

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)