O presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, considerou hoje que a requalificação do Itinerário Principal (IP) 3 “é um logro” e exortou o Governo a encurtar os prazos da empreitada.

Após a Infraestruturas de Portugal ter informado que a reabilitação integral desta via, que liga Viseu a Coimbra, só deverá ter o projeto concluído em 2021, Almeida Henriques ficou “preocupado e desiludido”.

Na sua opinião, “os viseenses estão a ser vítimas de um logro” e “o primeiro-ministro terá que lhes pedir desculpas”.

A informação sobre os ‘timings’ da intervenção no IP3 foi prestada pelo vice-presidente da Infraestruturas de Portugal, numa reunião realizada na sede da Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões.

“Na melhor das hipóteses teremos o projeto concluído em 2021, o que quer dizer que pelo menos nos próximos quatro anos não teremos a via requalificada”, lamentou, questionando se os viseenses ainda terão de ter “mais estes anos de sacrifício” naquela estrada.

Neste âmbito, Almeida Henriques defendeu que o Governo deve adotar um “procedimento de emergência” que encurte os prazos da empreitada e que o primeiro-ministro deve intervir para a colocar no topo das prioridades.

Segundo o autarca social-democrata, a obra que o Governo adjudicou recentemente, que prevê a reabilitação do troço entre a Lagoa Azul e Penacova, “é apenas um paliativo”, não resolvendo o problema estrutural do IP3.

“Isto é um logro que é preciso denunciar. Sinto-me zangado e ludibriado, porque foi criada nas pessoas a ilusão de que o IP3 seria reabilitado de imediato”, frisou.