Rádio Observador

Greve

Adesão de 80% na greve na limpeza dos aviões no aeroporto de Lisboa

O protesto dos trabalhadores da Iberlim e ISS que fazem a limpeza dos aviões no aeroporto de Lisboa teve 80% de adesão. Cerca de 100 trabalhadores participaram ainda numa manifestação.

Três dias antes da greve, na terça-feira, o Governo decretou serviços mínimos.

LUKAS BARTH/EPA

O sindicato que representa os trabalhadores esta sexta-feira em greve da Iberlim e ISS que fazem a limpeza dos aviões no aeroporto de Lisboa afirmou que o protesto teve 80% de adesão, cumpriu serviços mínimos e não cancelou voos.

“No turno da manhã, a adesão foi boa, de cerca de 80%, e uma centena de trabalhadores participou também esta manhã na manifestação junto às bombas [de combustível] do aeroporto”, afirmou à Lusa Vivalda Silva, do STAD – Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Actividades Diversas.

A greve começou às 00h de hoje e termina às 24h, uma luta de um dia que tem em vista exigir às empresas Iberlim e ISS que respeitem os acordos de condições específicas quanto a horários de trabalho e subsídios de turno e acabem com a discriminação entre os 300 trabalhadores de limpeza daquele aeroporto, que trabalham em vários horários.

Três dias antes da greve, na terça-feira, o Governo decretou serviços mínimos, justificando no despacho – a que a Lusa teve acesso – que a atividade destes trabalhadores “é indispensável para que estejam reunidas as condições mínimas de segurança e higiene para que os voos possam concretizar-se”.

Os ministérios do Trabalho e das Infraestruturas e Habitação decidiram, assim, que durante a greve deveriam ser assegurados um voo Lisboa – Horta, quatro voos Lisboa – Funchal, dois voos Lisboa – Ponta Delgada e um voo Lisboa – Terceira, além dos voos-ambulância, militares e de Estado.

“Há trabalhadores nos serviços mínimos”, assegurou a representante dos trabalhadores em greve, adiantando “não ter conhecimento” de qualquer cancelamento de voos no aeroporto de Lisboa em consequência da greve.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)