Rádio Observador

Museus

Berardo. Quinta da Bacalhôa comprou edifício de 30 mil metros quadrados em Azeitão

1.189

A Quinta da Bacalhôa comprou uma antiga garagem em Azeitão que, além de servir o negócio dos vinhos da família Berardo, poderá vir a albergar a coleção Berardo se sair do CCB, em Lisboa.

Joe Berardo esteve a responder aos deputados na comissão de inquérito à CGD no mês passado

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A audição de Joe Berardo no Parlamento, no mês passado, para responder sobre a dívida de mais de 900 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos, pôs o país a falar do empresário madeirense pelos piores motivos. “Não tenho nada, não devo nada“, assegurou. Sabe-se agora que a Quinta da Bacalhôa, histórica propriedade onde a família Berardo se dedica à produção de vinho, comprou no ano passado um edifício com 30 mil metros quadrados avaliado em vários milhões de euros, que poderá servir para albergar a coleção Berardo se o acordo com o Estado para a manutenção das obras de arte no Centro Cultural de Belém não for renovado em 2022.

A notícia é avançada esta sexta-feira pelo Jornal Económico, que detalha que o edifício é uma antiga garagem de autocarros na zona de Azeitão, perto da Quinta da Bacalhôa, e poderá ainda servir para a instalação de um centro cultural com o nome Bacalhôa Berardo Collection (BBC) — ou mesmo para fins relacionados com a atividade dos vinhos. Antiga propriedade da Transportadora Setubalense, do Grupo Barraqueiro, a garagem está avaliada em “vários milhões de euros”, explica o Jornal Económico, sem detalhar o valor específico da compra.

Um dos destinos do edifício de 30 mil metros quadrados poderá ser o de acolher a coleção Berardo, atualmente no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e que é detida pela Associação Coleção Berardo. As 862 obras de arte valem pelo menos 316 milhões de euros (de acordo com uma avaliação da leiloeira Christie’s) e estão na mira da Caixa Geral de Depósitos, BCP e Novo Banco, que as querem penhorar para recuperar créditos concedidos à Metalgest (holding de Berardo na Madeira) e à Fundação Berardo, no valor de 962 milhões de euros. Um processo que poderá ter dificuldades em avançar, uma vez que o empresário tem o património blindado através dos acordos com o Estado e da distinção entre a associação, a fundação e os seus bens pessoais.

Atualmente, a coleção encontra-se no CCB através de um protocolo entre o empresário madeirense e o Estado português, que define que Joe Berardo tem controlo sobre a coleção e que impede o Estado de intervir caso o empresário queira sair do país com as obras de arte. Berardo cedeu gratuitamente por 10 anos as obras de arte para a criação do museu e assegurou o direito de opção de compra da coleção. Em contrapartida, o Estado comprometeu-se a não classificar as obras (com as denominações de tesouro nacional, interesse público ou outras) — a não ser que compre a coleção. Ao mesmo tempo, o Estado comprometeu-se a “não colocar entraves à saída de Portugal e/ou do espaço comunitário, ao abrigo da atual ou futura legislação de proteção de património cultural, caso venha a cessar o comodato” entre ambos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)