Rádio Observador

Guiné-Bissau

Chefe de Estado da Guiné-Bissau garante ao PAIGC que vai cumprir lei e nomear primeiro-ministro

José Mário Vaz diz que ainda não nomeou o primeiro-ministro devido devido ao impasse da eleição para a mesa da Assembleia Nacional Popular. Povo quer nomeação urgente.

MOUSSA BALDE/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A vice-presidente do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Odete Semedo, disse esta sexta-feira ter recebido garantias do chefe de Estado guineense de que vai cumprir “escrupulosamente” a lei para nomeação do futuro primeiro-ministro.

Acabamos de sair da audiência com o Presidente da República [José Mário Vaz] e foi um momento para garantir ao PAIGC que vai seguir escrupulosamente o que a lei diz e que há vários rumores, mas que está consciente das suas prerrogativas e é isso que vai fazer”, afirmou Odete Semedo.

O Presidente guineense recebeu esta sexta-feira em audiências separadas, na Presidência da República, em Bissau, os seis partidos com representação parlamentar, três meses depois de realizadas as eleições legislativas de 10 de março, em que venceu o PAIGC, mas sem conseguir maioria.

Questionada pelos jornalistas se o Presidente pediu ao PAIGC para indicar um nome para o cargo de primeiro-ministro, Odete Semedo disse que “não pediu” e que o partido vai continuar a aguardar. “Disse que vai seguir os trâmites passo a passo, primeiro foi ouvir e estamos em crer que nos resta aguardar, com a paciência de sempre, para que nos chame enquanto partido vencedor das eleições para entregarmos o nome do primeiro-ministro”, salientou.

O Presidente guineense tem justificado o atraso na nomeação do primeiro-ministro e Governo guineense com um impasse no parlamento relativo à eleição para a mesa da Assembleia Nacional Popular.

Segundo o artigo 68.º (alínea g) da Constituição da República da Guiné-Bissau, são atribuições do chefe de Estado “nomear e exonerar o primeiro-ministro, tendo em conta os resultados eleitorais e ouvidas as forças políticas representadas na Assembleia Nacional Popular”.

A comunidade internacional tem apelado para a urgência da nomeação do primeiro-ministro e formação do Governo na Guiné-Bissau, mas também para o diálogo de forma a ultrapassar a questão da mesa na Assembleia Nacional Popular.

Após conhecidos os resultados eleitorais das legislativas de 10 de junho, o PAIGC fez um acordo de incidência parlamentar e governativa com a União para a Mudança (UM), Partido da Nova Democracia (PND) e Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), conseguindo ter 54 dos 102 deputados do parlamento guineense, enquanto o Madem-G15 (segundo partido mais votado) e o PRS somam 48 deputados.

Armando Mango, da APU-PDGB, disse aos jornalistas que o encontro esteve relacionado com o artigo 68.º da Constituição da República e esperam que o Presidente guineense indigite “imediatamente” o próximo primeiro-ministro de acordo com os resultados das últimas eleições legislativas.

“Não há mais caminhos do que o cumprimento da Constituição da República”, disse Iaia Djaló, presidente do PND, no final do encontro com o chefe de Estado, salientando que o Presidente guineense está com “boa vontade” e apenas lamenta que haja uma divisão tão grande no parlamento, que poderá pôr em causa algumas reformas, incluindo a constitucional.

O vice-presidente da União para a Mudança, João Baticã Ferreira, afirmou que o chefe de Estado disse que a “Constituição tinha de ser aplicada”. “Não vemos outra saída, outra via aberta, que não seja a aplicação da Constituição. A maioria parlamentar está garantida”, salientou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)