Rádio Observador

Brasil

Lava Jato. Sergio Moro está “tranquilo” com mensagens e recusa demitir-se

187

Depois de terem sido reveladas mensagens trocadas entre Sergio Moro e o procurador do caso Lava Jato, o ministro da Justiça do Brasil criticou ataque de hacker e disse estar "absolutamente tranquilo".

Sergio Moro foi o juiz que julgou o caso Lava Jato e é o atual ministro da Justiça do Brasil

Juan Carlos Hidalgo/EPA

O ministro da Justiça brasileiro, Sergio Moro, nega qualquer conluio com o procurador responsável pela acusação no caso Lava Jato e diz estar à vontade com a publicação das mensagens que trocou com o procurador Deltan Dallagnol sobre o processo.

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, Moro respondeu às críticas que tem sido alvo na sequência da divulgação, pelo The Intercept Brasil, de uma série de conversas entre o ministro — à época juiz — e o procurador Deltan Dallagnol sobre o desenrolar do processo. De acordo com a lei, juiz e procurador devem trabalhar de forma independente.

Entre as mensagens divulgadas incluem-se transcrições de algumas comunicações que mostram como Sergio Moro e Deltan Dallagnol terão delineado em conjunto estratégias para a condução da investigação — algo que a lei proíbe.

Apesar de ter sido alvo de críticas por desvios às suas obrigações éticas — e até de pedidos de demissão —, Moro assegurou que vai continuar em funções. Questionado sobre se reconhece as mensagens enquanto suas, Moro disse ter “dificuldades” em perceber as “invasões criminosas dos dispositivos dos procuradores e a tentativa de invasão do meu”.

Até onde sei, não conseguiram pegar o conteúdo do meu Telegram. Poderiam ter pego, não tem problema nenhum quanto a isso. Mas não conseguiram, porque não estou no Telegram. Não tenho essas mensagens”, disse Sergio Moro.

“Veja, são fatos que aconteceram dois três anos atrás. Não tenho memória de tudo. Vejo algumas coisas que podem ter sido coisas que eu tenha dito. Agora podem ter inserções maliciosas. Então fica muito complicado. Até porque, como eu disse, se os fatos são tão graves como eles dizem que são, até agora não vislumbrei essa gravidade”, acrescentou o ministro brasileiro.

Sergio Moro desafiou, depois, os hackers que acederam as mensagens a levarem o material original a “uma autoridade independente”. “Se não querem apresentar à Polícia Federal, apresenta no Supremo Tribunal Federal. Aí vai se poder verificar a integridade daquele material, exatamente o que eles têm, para que se possa debater esse conteúdo”, afirmou.

“Alguns diálogos, algumas mensagens lá me causam bastante estranheza. Não sei, por exemplo, como é que atribuíram aquelas mensagens a Moro, de onde que veio isso, esse Moro, da onde que veio o Deltan. Eu vejo nas mensagens lá que às vezes está Deltan e às vezes está Dallagnol. Então, como é que foi isso? Aquele material não é o material original? Será que não teve outra coisa que foi editada ali dentro?”, perguntou Moro.

O ministro da Justiça brasileiro disse também que acha que foi um “grupo criminoso organizado” que acedeu às comunicações telefónicas.

Acho que o alvo são as instituições. Se vamos tolerar esse tipo de comportamento, hackers criminosos que conseguem abrigo em veículos não sei se da imprensa, se a gente pode falar dessa forma, para divulgar isso. Então quer dizer se amanhã invadirem os telefones de jornais, de empresas, dos ministros do Supremo, de presidente do Senado, de presidente da Câmara, vão aceitar que isso seja divulgado por esse mesmo veículo? Me parece, veja bem, essa Operação Lava Jato foi muito difícil, hercúleo, pode ter nisso as críticas pontuais, mas houve uma mudança de padrão do tratamento do Brasil da impunidade da grande corrupção”, disse

Questionado sobre se, na sequência do caso, pensou em afastar-se do cargo, Moro disse que não. “Eu me afastaria se houvesse uma situação que levasse à conclusão de que tenha havido um comportamento impróprio da minha parte. Acho que é o contrário. Agora estou em uma outra situação, estou como ministro da Justiça, não mais como juiz, mas tudo o que eu fiz naquele período foi resultado de um trabalho difícil. E nós sempre agimos ali estritamente conforme a lei. Qualquer situação, despido o sensacionalismo, está dentro da legalidade. Conversar com procuradores, conversar com advogados, isso é absolutamente normal”, assegurou.

Sobre o conteúdo das mensagens, Sergio Moro diz-se “absolutamente tranquilo”. “Nunca houve esse tipo de conluio. Tanto assim, que muitas diligências requeridas pelo Ministério Público foram indeferidas, várias prisões preventivas”, defendeu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus
681

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)