Rádio Observador

Luís Filipe Vieira

Luís Filipe Viera fala sobre reforços, formação e afirma: “Clubes portugueses devem replicar estratégia do Benfica”

Presidente dos encarnados garante que o Benfica só está no mercado por um ponta-de-lança. Diz ainda que Félix pode vencer Bola de Ouro e defende que trouxe credibilidade ao Benfica.

Declarações de Vieira foram feitas esta sexta-feira de manhã, em entrevista à Renascença

Carlos Costa

Não é novidade: para Luís Filipe Vieira, o futuro do Benfica está no Seixal. Mas o presidente encarnado afirma que o clube “terá sempre de comprar” para certas posições e o alvo para este verão está definido: um ponta-de-lança. Em entrevista esta sexta-feira à Rádio Renascença, Viera falou sobre Félix “Bola de Ouro”, aconselhou os rivais a seguir o exemplo do Benfica e afirmou que o clube só tem a credibilidade de hoje desde que assumiu a presidência.

“A prioridade para o clube desde que eu cheguei foi recuperar a credibilidade do Benfica. Não vou permitir que alguma vez que se ponha em causa a credibilidade do Benfica. Esse é o maior título do Benfica neste momento”, garantiu Vieira. O presidente conta que, há 19 anos, tinha de pagar a pronto ou passar cheques visados para comprar equipamento ou pagar hotéis. “Isso não vou viver mais”, afirmou.

Já sobre a época que aí vem, Luís Filipe Vieira abriu o livro sobre o mercado e garantiu que o Benfica não vai comprar laterais nem médios. Explicou que a única compra do clube será um ponta de lança e que os restantes reforços estão no Seixal. “Os futuros laterais do Benfica estão dentro do clube. No meio-campo acho que o Benfica não tem necessidade de comprar jogadores. Mas o Benfica não tem pontas-de-lança e é importante dar aos nossos treinadores aquilo de que eles precisam, se nos mostrarem que os que temos não têm essa competência”, afirmou o presidente do clube da Luz.

Vieira afirma mesmo que outras equipas portuguesas também deviam apostar mais na formação à semelhança do seu clube. “A estratégia que existe no Benfica deve ser replicada pelos outros clubes portugueses. Não faz sentido o investimento feito por determinados clubes em Portugal”, defendeu. E por falar em reforços made in Seixal, Vieira relembrou jogadores como Bernardo Silva, Ivan Cavaleiro ou Renato Sanches e explicou que estes saíram “numa altura em que as finanças do Benfica também precisavam”.

Sobre a Liga, Vieira diz que o último campeonato foi o que “mais gozo” lhe deu a conquistar e alerta para os cuidados a ter no próximo ano:

Custa muito ganhar, é preciso muito e não quero dizer que, quando se ganha, que já estamos lá. A próxima época vai ser muito mais difícil para nós. Temos de entender que há outros competidores em Portugal e eles também querem ganhar. Nós queremos a hegemonia, mas não quer dizer que vamos consegui-la sempre”, apontou.

Luís Filipe Vieira foi ainda questionado sobre o desejo do Benfica em ver um jogador seu vencer uma Bola de Ouro e atribuiu essa possibilidade a João Félix. “Pode acontecer com o João Félix. Não sei se será o sucessor do Cristiano Ronaldo, mas que tem condições para ser de topo mundial, isso tem, como já é o Bernardo Silva”, disse.

O líder dos encarnados falou também sobre Bruno Lage e garantiu que o treinador “estará muitos anos no Benfica”. Garantiu também que no dia em que Lage sair, o próximo treinador do Benfica estará no Seixal. “Vou olhar para dentro, sem dúvida”, afirmou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)