Rádio Observador

Sonae

Sonae fica dona da marca Continente em Espanha mas não prevê abrir hipermercados no país

Apesar da Sonae ser a detentora da marca Continente em território nacional, até esta semana, a Carrefour mantinha os direitos de exploração sobre a marca em Espanha.

O grupo quer "continuar a ganhar no mercado" onde atua e que por isso vai continuar a "investir, inovar e crescer"

JOAO ABREU MIRANDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A presidente executiva da Sonae, Cláudia Azevedo, afirmou esta sexta-feira que, apesar do grupo ter vencido “a batalha judicial” sobre a marca Continente em Espanha contra o Carrefour, não prevê “a curto prazo” abrir hipermercados naquele país.

“Num curto prazo não estou a ver um formato alimentar a ir para Espanha. Era importante a marca ser nossa, aliás, não fazia sentido a marca não ser nossa, o Carrefour não ia usá-la”, salientou esta sexta-feira Cláudia Azevedo durante a 3.ª edição dos Encontros Fora da Caixa, que decorreu na Fundação Cupertino de Miranda, no Porto.

Desde 2008 que os dois grupos de retalho se defrontavam em tribunal pela utilização da marca Continente, isto porque, quando os grupos franceses Carrefour e Promodés se juntaram, em 2000, as marcas Pryca e Continente passaram a denominar-se Carrefour.

Aquando da expansão das lojas Continente em Portugal, o grupo francês aliou-se à Sonae que, após a fusão, ficou com os direitos de exploração da marca em Portugal e, posteriormente, a registou em Espanha.

Apesar da Sonae ser a detentora da marca Continente em território nacional, até esta semana, a Carrefour mantinha os direitos de exploração sobre a marca em Espanha.

De acordo com a sentença do Supremo Tribunal, a que o jornal espanhol CincoDías teve acesso, foi reconhecida a legitimidade de o grupo português utilizar a marca por falta de utilização, descartando deste modo a acusação do grupo francês de “existência de má fé no registo” e de “conduta desleal” por parte da Sonae.

Durante o encontro, Cláudia Azevedo salientou que o processo judicial “nunca impediu” o grupo português de “atuar” em território espanhol, dando como exemplo a abertura de um “novo escritório”, em Madrid, onde estão sediadas todas as empresas do grupo.

Questionada sobre quais seriam os planos a curto e médio prazo, a presidente executiva da Sonae afirmou que o grupo quer “continuar a ganhar no mercado” onde atua e que por isso vai continuar a “investir, inovar e crescer”.

“Nos mercados onde estamos queremos continuar a crescer e a ganhar quota de mercado de uma forma rentável e sustentável. Somos muito competitivos, e ao mesmo tempo, a Sonae é uma companhia de longevidade, estamos aqui para ficar e temos o nosso valor, não só económico, mas social”, referiu.

Neste terceiro Encontro Fora da Caixa, que decorreu sob a equação ‘Economia = Mercado x (Conhecimento & Cultura)’, Cláudia Azevedo mencionou a importância do mercado, mas também do conhecimento e da cultura, afirmando “rever-se completamente na fórmula” matemática.

“O mercado é o palco onde tudo acontece, onde os clientes e os fornecedores se encontram, onde é marcado um preço e esse preço é muito fruto do conhecimento do cliente e da cultura que fazem a esse preço e a esse bem. O conhecimento é inovação, tecnologia, a cultura é a vontade de fazer acontecer e inovar”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)