Rádio Observador

Igualdade de Género

Todo o mundo tenta, mas a brasileira Marta só aceita patrocínios quando lhe pagarem o mesmo que a um homem

17.773

É a melhor do mundo. A única a marcar em cinco Mundiais. E negou patrocínios porque não lhe pagavam tanto quanto a um homem. Marta entrou em campo com chuteiras pretas pela igualdade de género.

Marta apontou para as chuteiras pretas com o símbolo da campanha "Go Equal" durante o jogo contra a Austrália

Getty Images

A Adidas tentou. A Nike tentou. A Puma também. Todas as grandes marcas desportivas tentaram. Mas ninguém conseguiu que a futebolista brasileira Marta Silva, eleita a melhor do mundo por seis vezes, aceitasse ser patrocinada por qualquer marca fornecedora de chuteiras. É que nenhuma pagava à atleta o mesmo que iriam pagar a um futebolista do sexo masculino de topo. Por isso, Marta decidiu jogar com uma chuteiras pretas na partida da seleção brasileira contra a Austrália na quinta-feira.

Quando a seleção do Brasil entrou em campo, os pés de Marta voltaram a fazer história. Primeiro porque, durante a partida, a futebolista brasileira tornou-se a primeira a marcar em cinco Mundiais, igualando um recorde que só mais uma pessoa no mundo havia conquistado: o alemão Klose. E depois porque, em vez de envergar o símbolo de uma famosa marca desportiva nas chuteiras, calçou antes umas chuteiras negras com um pequeno símbolo azul e rosa.

A mensagem nos pés de Marta Silva já tinha chegado às redes sociais ainda antes do confronto do Mundial de Futebol Feminino. A futebolista lançou uma campanha, a “Go Equal”, que pede igualdade de oportunidades para homens e para mulheres no mundo do desporto: “Brasil-Austrália não é a única rivalidade que as mulheres têm que enfrentar no desporto hoje.
Marta está a jogar com uma chuteira sem patrocínio e com um símbolo pela igualdade no desporto”.

Noutra publicação, a “Go Equal” de Marta Silva reforçou essa mensagem: “Bola igual. Campo igual. Regras iguais. Se as mulheres jogam futebol da mesma forma que os homens, por que elas não recebem o devido reconhecimento? O devido apoio? A devida remuneração? Igualdade é algo pelo qual devemos todas e todos lutar. Afinal, somos iguais”, pode ler-se nas publicações da campanha nas redes sociais.

Desde julho de 2018 que Marta não tem patrocinadores. Segundo o agente da futebolista, Fabiano Farah, é assim porque nenhuma marca aceita pagar a Marta o que paga a atletas homens com as mesmas conquistas e com a mesma representatividade que ela, elabora o Globo Esporte. Tanto que, mesmo depois de ter batido mais um recorde mundial, a atleta preferiu sublinhar ainda mais a sua mensagem pela igualdade de género no desporto: “Novo recorde? Isto é pela igualdade de todas mulheres. Não gosto de falar, gosto de mostrar”.

Esta é uma causa por que Marta já se tinha expressado no passado na qualidade de embaixadora global da Organização das Nações Unidas (ONU) para as Mulheres, um cargo que ocupa desde julho do ano passado. “Marta é um modelo excecional para mulheres e raparigas em todo o mundo. A sua experiência de vida conta uma história poderosa do que pode ser alcançado com determinação, talento e coragem”, disse à época a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, para explicar a escolha da futebolista para a organização.

A campanha “Go Equal” surge ao mesmo tempo que a revista “France Football” desvendou que Neymar, considerado um jogador de topo no futebol masculino, ganha 269 vezes mais do que Marta, a melhor futebolista feminina do mundo. Segundo a notícia da Veja São Paulo, o atacante do Paris Saint Germain aufere o equivalente a 90,4 milhões de euros anuais. Marta ficar-se-á pelos 34 mil euros por ano, contabiliza a revista. Ada Hejerberg, atual melhor jogadora do mundo eleita pela FIFA, ganha 40 mil euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Igualdade de Género

Homens feministas precisam-se!

Inês Santos Silva
809

A igualdade de género só será uma realidade com o apoio de muitos Tom Millers, homens que percebem que os direitos das mulheres são direitos humanos e estão dispostos a lutarem por eles.

Igualdade de Género

Não há mulheres gordas no ginásio

João Pires da Cruz
2.956

A única coisa para a qual poderei contribuir é tentar mostrar à minha filha que mulheres gordas podem e devem ir ao ginásio e que é muito mais valioso ser astrofísica do que princesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)