Rádio Observador

Venezuela

Venezuela: Politólogo lusodescendente preso precisa de operação urgente

Ana Maria da Costa disse que o irmão "está em perigo de perder o olho esquerdo ou de morrer" e apelou à intervenção do secretário-geral da Organização das Nações Unidas.

Vasco da Costa, de 58 anos, foi detido na sua casa em abril de 2018 por agentes do SEBIN

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O politólogo lusodescendente Vasco da Costa, preso em Caracas, precisa de uma operação cirúrgica urgente ou pode perder um olho, por falta de atenção médica na cadeia onde se encontra, denunciou esta sexta-feira a irmã.

“O meu irmão está doente. Tem um tumor no olho esquerdo. Está em perigo de perder o olho esquerdo ou de morrer”, disse à agência Lusa Ana Maria da Costa, que apelou à intervenção do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, e do Governo português.

Segundo Ana Maria da Costa, o seu irmão “foi torturado em abril e maio do ano passado” na prisão militar de Santa Ana e depois começou a queixar-se de que “o olho lhe doía e que estava sempre vermelho”.

O olho tem ficado cada vez mais e mais vermelho desde há três meses. Eu alertei as autoridades que ele estava doente e que tinha que ser levado ao hospital. No Hospital Militar disseram-lhe que não era nada e receitaram-lhe umas gotas para os olhos, mas um ponto pequenino que tinha na córnea começou a crescer” e “em duas semanas o tumor tornou-se visível”, tendo sido novamente levado ao hospital, afirmou.

Mandaram-lhe fazer um exame “que há mais de cinco anos não se faz na Venezuela porque o Governo deixou de autorizar dólares para a importação do material que se usa para o fazer”, acrescentou, explicando que um médico patologista disse-lhe então que “o tratamento tem que ser feito à maneira antiga”: o tumor tem de ser extraído para ser feita uma biopsia e definir um tratamento.

Ana Maria da Costa diz-se “desesperada” e insiste em “pedir auxílio”, apelando a que “as autoridades” não deixem “apodrecer” o irmão na prisão.

“Aqui [na Venezuela] os presos políticos são deixados à deriva, abandonados nas cadeias, e as doenças consomem-nos”, afirmou.

Peço ajuda ao Governo de Portugal, à comunidade internacional, que não permitam que o meu irmão, Vasco da Costa, perca o olho ou morra (…). A verdade é que o Vasco está em perigo neste momento”, disse.

Ana Maria da Costa apelou, em concreto, ao secretário-geral da ONU, António Guterres: “Não abandone os presos políticos na Venezuela. Somos filhos de portugueses e portugueses também. Não permita que esta gente nos mate. Não nos virem as costas, nós existimos e estamos a sofrer. E, à doutora Michelle Bachelet, também lhe peço que não vire as costas à realidade. Não permita que estas pessoas matem o meu irmão Vasco, ou que perca um olho”, concluiu.

Vasco da Costa, de 58 anos, foi detido na sua casa em abril de 2018 por agentes do SEBIN (serviços secretos da Venezuela).

De acordo com Ana Maria da Costa, 30 agentes dos serviços secretos, “vestidos de comandos e com espingardas”, arrombaram a porta, espancaram o irmão e destruíram a casa.

Filho de um antigo cônsul de Portugal em Caracas, Vasco da Costa já tinha estado detido entre julho de 2014 e outubro de 2017.

Na altura, foi acusado de ligações a uma farmacêutica que estaria, alegadamente, envolvida em planos para fabricar engenhos explosivos artesanais, durante os protestos ocorridos no primeiro semestre de 2014 contra o Governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Segundo Ana Maria da Costa, Vasco da Costa foi acusado dos crimes de terrorismo, associação para cometer delito com fins de terrorismo, fabrico ilegal de explosivos para fins terroristas e ocultação de munições.

Vasco da Costa define-se como “contrarrevolucionário, conservador e anticomunista”, faz parte do Movimento Nacionalista Venezuelano e do partido Nova Ordem Social, liderado pela lusodescendente Venezuela Portuguesa da Silva, atualmente radicada na Espanha.

A Organização Não Governamental (ONG) Foro Penal Venezuelano (PFV) denunciou na quinta-feira que 773 cidadãos estão detidos por motivos políticos na Venezuela, enquanto outros 8.615 estão submetidos a “processos injustos”. Vasco da Costa é um desses presos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)