O advogado de Cristiano Ronaldo nos Estados Unidos pediu, sexta-feira, ao tribunal Federal do Nevada que o autorize a exceder as 24 páginas previstas por lei para responder ao pedido de indemnização de Kathryn Mayorga — a mulher que o acusa de violação e que recorreu a este tribunal para lhe pedir uma indemnização pelos alegados danos que o jogador português lhe terá provocado depois dessa noite em Las Vegas.

No pedido a que o Observador teve acesso, o advogado Peter S. Christiansen — um dos advogados que respondeu à defesa de Mayorga que não tinha autorização para receber notificações do futebolista — pede ao juiz que o autorize a ultrapassar o limite de páginas que a lei estipula para responder ao pedido cível de Kathryn Mayorga que ocupa, por seu turno, 31 páginas.

Nas suas contas, a defesa de Ronaldo deverá estender-se ao longo de 46 páginas. “A queixa contém onze causas para a ação”, ao longo das quais a mulher que acusa Ronaldo explica como tudo terá acontecido naquela noite de 12 de junho de 2009, como de seguida apresentou queixa na polícia e terá sido demovida a dizer o nome do jogador. E a descrição de todos os danos psicológicos que diz ter sofrido ao ter aceitado um acordo monetário para que se mantivesse em silêncio.

Nessa queixa, ou pedido de indemnização, que entrou no Tribunal Federal em janeiro de 2019, e que só agora chegou efetivamente às mãos de Ronaldo — como foi este sábado noticiado — Mayorga pede que o acordo que fez com os advogados de Ronaldo para se manter em silêncio seja anulado, alegando que não estava capacitada para o fazer, pede uma compensação por difamação, por ter sido desmentida, e por todos os danos psicológicos que diz que ainda hoje a afetam.

“A complexidade e a quantidade de elementos subjacentes  a estas onze causas para a a ação”, escreve o advogado, “exigem uma análise muito significativa de modo a especificar para cada uma as razões para não admitir a ação”, escreve o advogado.

Desta forma, resume, a defesa pede que o tribunal lhe permita aumentar a sua resposta em mais 22 páginas do que o estabelecido por lei. O tribunal ainda não se pronunciou.

Este sábado o TMZ anunciou que Cristiano Ronaldo já teria sido notificado do processo cível, depois de se ter percebido que a defesa de Mayorga recorrera ao Tribunal Federal por estar com dificuldades em notificá-lo. Em abril, o Tribunal Federal decidiu, dadas as dificuldades, estender até outubro o prazo na notificação. Desconhece-se, para já, em que circunstâncias foi notificado o futebolista — que neste momento, segunda conta nas redes sociais, encontra-se de férias na Grécia com a família.

Certo é que desde de outubro de 2018 que o tentavam notificar presencialmente da queixa, uma vez que a lei americana exige uma prova da notificação — seja com uma testemunha, seja com o preenchimento de um formulário que normalmente vem como anexo à notificação. Apesar de Ronaldo e da sua família estarem constantemente a dizer onde estão e para onde viajam nas redes sociais, estava difícil descobrir a sua morada oficial.