Rádio Observador

Catarina Martins

Catarina Martins apela ao PS para aprovar legislação laboral que permita valorizar salários

304

Catarina Martins recorda os salários baixos, no setor público e no privado, e deixa um apelo ao PS para que aprove legislação que permita "valorização salarial".

JOÃO RELVAS/EPA

A coordenadora nacional do BE considerou este sábado que os “salários em Portugal são baixos demais”, tanto no setor público como no privado, e apelou ao PS para que aprove legislação laboral que permita uma “valorização salarial”.

“Sim, em Portugal os salários são muito baixos também na função pública e é preciso dar resposta a isso. Não esquecer que, sem uma legislação de trabalho capaz, nós só estaremos a cavar desigualdades entre público e privado e entre salários baixos e salários muito altos”, observou Catarina Martins durante uma conferência de imprensa, em Lisboa, no final de uma reunião da Mesa Nacional do BE.

A este propósito, a líder do Bloco foi instada pelos jornalistas a comentar uma entrevista do primeiro-ministro ao semanário Expresso, publicada este sábado, na qual António Costa antecipou a possibilidade de “haver atualização anual dos vencimentos” e o preenchimento das “inúmeras lacunas de contratação de pessoal na administração pública”, assim como a revisão significativa dos “níveis remuneratórios dos seus técnicos superiores”.

“Os técnicos superiores têm de ter fatores de diferenciação salarial significativa, sob pena de o Estado deixar de ser competitivo na contratação de quadros qualificados para a administração pública”, disse António Costa.

Face a estas palavras, Catarina Martins salientou que “os salários em Portugal são baixos demais, são baixos demais no setor público como no setor privado”, observando que o crescimento da economia “não é acompanhado por um crescimento proporcional dos salários”, o que provoca “desigualdades crescentes de rendimentos”.

“A valorização dos salários da função pública é uma responsabilidade direta do Estado, que o pode fazer pelo Orçamento de Estado, a do privado depende da legislação laboral e depende também da evolução do salário mínimo nacional”, lembrou, apontando que “o parlamento está ainda a discutir alterações legislativo do Código do Trabalho”.

Nesta apreciação, o BE receia que “as propostas do Governo sejam de precarização e, portanto, não façam valorização salarial” .

Por isso, Catarina Martins deixou “o apelo a que o Partido Socialista, […] na legislação do Código do Trabalho agora em debate no parlamento, tenha um Código do Trabalho que permita a valorização salarial também no setor privado”.

“Para o Bloco de Esquerda, a questão é a de uma contínua valorização do salário mínimo nacional e de uma legislação laboral que valorize todos os salários continua a ser essencial”, salientou.

Catarina Martins destacou também que Portugal é um país “muito desigual” e notou que “uma política salarial, para o BE, é também uma política de combate sempre às desigualdades salariais”.

“E, na verdade, as desigualdades, não são justificáveis nem por qualificação, nem por responsabilidade na maior parte das vezes”, declarou.

Por tudo isto, que a líder classificou como “um problema global de salários”, o programa eleitoral do BE para as eleições legislativas de 6 de outubro vai referir-se “a essa questão e às formas de fazer valorização salarial”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)