Rádio Observador

Copa América

Em Porto Alegre, o jogo foi triste e um “ex-Benfica-que-nunca-o-foi” que tem Casillas como ídolo saiu como o mais feliz

Era titular no Caracas com 17, mudou-se para o Millonarios em 2018, foi dado como certo no Benfica e hoje é apontado ao Barcelona. Wuilker Faríñez é o homem do momento e voltou a defender como tal.

Faríñez viu o VAR anular dois golos ao Peru mas esteve em destaque com cinco grandes intervenções que seguraram o nulo para a Venezuela

Getty Images

O Peru teve mais bola, mais remates, mais cantos e mais oportunidades flagrantes mas as estatísticas também podem enganar e, no final do encontro com a Venezuela, foi o guarda-redes Pedro Gallese que mereceu a distinção de melhor do jogo em números: cinco defesas (quatro a remates enquadrados), uma interceção, nenhum golo sofrido. No entanto, se é verdade que se ficou a falar de um guardião, o protagonista não é o número 1 do Alianza Lima. Já ouviu falar em Wuilker Faríñez?

É provável que sim, também não faz mal se a resposta for negativa. É certo que o VAR acabou por anular dois golos ao Peru, num deles com o guarda-redes da Venezuela a ter de ficar algum tempo a ser assistido devido a um corte abaixo do lábio, mas foi uma defesa “impossível” do jovem guarda-redes de 21 anos que ficou como momento de uma partida onde os vinotinto jogaram reduzidos a dez nos últimos 15 minutos, devido à expulsão de Mago depois de mais uma entrada fora de tempo.

Nascido em Caracas, com passagens quando era mais novo por Nueva Esparta e Gramoven, Farínez chegou ao Caracas FC em 2011 e viria a assumir a titularidade da equipa sénior com apenas 17 anos, no seguimento da saída de Alain Baroja para o AEK Atenas. Em 2016, foi pela primeira vez chamado ao conjunto principal e, no ano seguinte, quando já se tinha fixado de vez na baliza da seleção e foi ainda vice-campeão mundial Sub-20, assinou pelos colombianos do Millonarios, num contrato que seria válido a partir de janeiro de 2018. Chegou, viu e venceu, sendo providencial na conquista da Supertaça.

É aqui que entra a ligação a Portugal nesta história: como o Benfica já tinha então um protocolo com a formação colombiana, houve muita especulação sobre a contratação do guarda-redes do Millonarios, havendo mesmo alguns órgãos que o colocavam em trânsito para o clube da Luz num negócio que envolveria 750 a 900 mil euros. No meio da especulação, o líder dos sul-americanos teve de vir explicar a público que, apesar do acordo entre clubes, o número 1 que quando era miúdo queria ser avançado (e que ocupava a baliza para segurar as vantagens da sua equipa) era um investimento só do Millonarios.

Na antecâmara da Copa América, Wuilker Faríñez era apontado como um dos jogadores que mais observações iria atrair, não só de clubes argentinos e mexicanos mas também, ou sobretudo, da Europa. Quando era mais novo, chegou a prestar provas no Real Madrid, não ficou mas sempre mostrou o sonho de um dia chegar aos merengues até por ter Iker Casillas como grande ídolo; mais recentemente, e sem esquecer o guardião espanhol do FC Porto, destacou Ter Stegen na atualidade e foi apontado como uma das mais fortes possibilidades de reforçar o Barcelona caso Cillessen saia mesmo. “Há contactos de equipas da Argentina, do México e de Inglaterra, ele que é vai decidir. O que posso dizer é que houve aproximações do Barcelona”, revelou o pai.

O futuro do número 1 venezuelano continua incerto mas tudo aponta para que saia em breve dos Millonarios da Colômbia. E a exibição que segurou o nulo frente ao Peru é mais uma carta de recomendação para esse investimento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)