Rádio Observador

Casamento

No casamento de Sergio Ramos, houve quem quebrasse as regras dos noivos. Veja as fotos

179

Victoria Beckham vestiu o que os noivos proibiam. Uma convidada levou um chapéu. E houve duas ausências. As primeiras fotos de Sergio Ramos e Pilar Rubio, o casamento do ano em Espanha.

Entre os 500 convidados que rechearam a Catedral de Sevilha, para o casamento do futebolista Sergio Ramos com Pilar Rubio, houve duas faltas que não passaram despercebidas: Cristiano Ronaldo e Iker Casillas. O primeiro não esteve na cerimónia porque, apesar de os dois terem sido colegas durante nove anos no Real Madrid, não foi convidado porque não são próximos. E, o segundo, porque Casillas ainda está a recuperar do enfarte do miocárdio que sofreu em maio, enquanto a mulher, Sara Carbonero, amiga da noiva, luta contra um cancro nos ovários.

A troca de alianças entre Sergio Ramos e a mulher com quem namora há já sete anos é considerado um dos casamentos mais badalados do ano em Espanha. O noivo chegou à Catedral às 17h10 na companhia da mãe e a noiva chegou apenas quinze minutos depois com o pai. Levava um vestido branco com pedras brilhantes, uma trança comprida no cabelo, um véu ornamentado com formas geométricas e um bouquet de jarras negras — um look que a revista espanhola Hola! adjetivou de “rockeiro”.

Ambos arrancaram suspiros dos fãs à chegada à igreja, mas não foram os únicos. David Beckham e a mulher, Victoria Beckham, levaram o público ao rubro à entrada da Catedral de Sevilha. Ela chegou com um vestido branco — uma das cores proibidas na lista de exigências dos noivos — pelo joelho com desenhos de correntes e um laço na gola, que conjugou com uns stilletos cor de rosa choque — outra das cores proibidas. Ele escolheu um fraque azul, que usou com uma camisa branca e uma gravata preta.

Mas há que dar um desconto à ex-Spice Girl. É que as exigências dos noivos eram difíceis de seguir: as mulheres eram obrigadas a levar vestidos compridos, mas não podiam levar roupa branca, cor de rosa, vermelha, laranja ou verde. Os homens tinham mesmo de usar um fraque — algo que todos parecem ter cumprido. Todos tinham de levar uma tatuagem de um unicórnio para poderem entrar na festa. E ninguém devia usar telemóvel no interior da igreja.

Veja as imagens na fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)