Pequim afirmou este sábado que apoia a decisão de Hong Kong de suspender a polémica proposta de lei de extradição, entendendo que a suspensão visa ouvir várias opiniões sobre o projeto.

“Apoiamos, respeitamos e entendemos essa decisão”, afirmou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Geng Shuang, em comunicado citado pelas agências internacionais de notícias.

A suspensão visa “ouvir mais amplamente” as várias opiniões sobre este projeto e “restaurar a calma o mais rapidamente possível” no território, acrescenta a nota.

A líder do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, anunciou em conferência de imprensa a suspensão da legislação sobre extradição, sem estabelecer qualquer prazo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A polémica proposta de lei, que permitiria que a chefe do executivo e os tribunais de Hong Kong processassem pedidos de extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental, levou centenas de milhares de pessoas à rua na última semana.

Organizações cívicas de Hong Kong afirmaram já que vão continuar com os seus protestos até que a chefe do Executivo retire definitivamente a sua proposta de lei de extradição e apelaram a que os manifestantes participem na ação de protesto marcada para domingo.

Os defensores da lei têm argumentado que, caso se mantenha a impossibilidade de extraditar suspeitos de crimes para países como a China, tal poderá transformar Hong Kong num “refúgio para criminosos internacionais”.

Os opositores dizem temer que Hong Kong fique à mercê do sistema judicial chinês como qualquer outra cidade da China continental e de uma justiça politizada que não garanta a salvaguarda dos direitos humanos.