Rádio Observador

Futsal

“Gratidão, orgulho e recompensa a quem trabalhou para recuperar identidade”: as reações ao título do Benfica

161

Joel Rocha destacou recuperação da identidade dos encarnados, Nuno Dias admitiu primeira parte aquém do Sporting, Luís Filipe Vieira diz que modalidade foi dignificada: a festa do título do Benfica.

Joel Rocha num abraço especial a Raúl Campos, o herói improvável deste jogo 5 da final com um hat-trick na primeira parte

Filipe Amorim

Se os cinco jogos da final da Liga de futsal já tinham sido eletrizantes, os últimos cinco segundos do último encontro não podiam ser diferentes: com um livre próximo da área descaído na esquerda, Merlim assistiu Cavinato, o remate do italo-brasileiro acabou por bater no poste e sair e começou logo aí a festa do Benfica, que fez a reposição de bola para Guitta e queimou aí os derradeiros momentos da quarta decisão na “negra” entre rivais lisboetas. No final, houve lágrimas, emoção, muita festa e um momento de tensão entre Gonçalo Alves, ex-jogador e diretor dos encarnados que passou por Alvalade, e Nuno Dias, treinador dos leões antes do reconhecimento de todas as partes da justiça do triunfo das águias nesta série do playoff.

“Sentimento? Gratidão pura! Orgulho enorme, incalculável. É uma reconquista e uma recompensa de quem trabalhou para recuperar a identidade, perante um grande Sporting”, começou por referir Joel Rocha, técnico do Benfica, na zona de entrevistas rápidas da RTP na quadra do Pavilhão da Luz. “O que fez a diferença foram sempre elementos muito pequenos. Há um grande equilíbrio nas duas equipas, jogam a uma dimensão mundial. É uma reconquista em forma de recompensa, por tão bem que trabalhámos esta época. Tenho de agradecer à pessoa que representa o nosso clube e o nosso universo, o presidente, que nos momentos difíceis disse que íamos conseguir”, acrescentou ainda, antes de alargar esse reconhecimento “aos jogadores e aos adeptos”. “Estou grato a todos eles, esta conquista é deles”, concluiu.

Já Nuno Dias, que viu gorada a possibilidade de assegurar o primeiro tetracampeonato da história do futsal, admitiu o arranque em falso da equipa verde e branca na decisão da Luz. “Hoje demos uma parte de avanço ao Benfica. Não entrámos bem e o Benfica aproveitou para se colocar em vantagem. Depois reagimos bem mas voltámos a vacilar. Na primeira parte não estivemos bem, não quisemos jogar e vi a equipa algo amorfa. O resultado final acaba por ser determinado por isso. Fomos penalizados por não termos tido a intensidade que gostávamos de ter tido. Parabéns ao Benfica. Agora vamos descansar e para o ano cá estaremos”, analisou na flash interview após o triunfo dos encarnados na “negra”.

Também Luís Filipe Vieira, presidente das águias que não esteve presente esta tarde na Luz, deixou uma mensagem à equipa encarnada através do site oficial do clube. “Parabéns a toda a estrutura dirigente, equipa técnica liderada por Joel Rocha e jogadores por esta brilhante reconquista do título de campeão nacional de futsal! Vibrante e incansável o apoio dos nossos adeptos num extraordinário jogo disputado por duas equipas de enorme qualidade que muito dignificaram a modalidade. Carrega, Benfica!”, destacou o número 1 do Benfica.

De referir que, num jogo de alto risco com lotação esgotada na Luz (as cadeiras vazias em alguns setores eram “compensados” por zonas onde havia mais adeptos, sobretudo onde se concentravam as claques encarnadas), e apesar de alguns momentos de maior tensão na quadra rapidamente sanados e de interrupções para limpeza do piso, tudo decorreu dentro da normalidade, com a polícia a reforçar no final a bancada onde se concentravam os adeptos verde e brancos para que a rede atrás da baliza não fosse puxada, num momento resolvido também com grande celeridade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)