Rádio Observador

Líbia

Primeiro-ministro da Líbia propõe eleições até ao fim de 2019

O chefe do governo líbio reconhecido pela ONU anunciou a criação de um "Fórum Líbio" para negociar uma solução pacífica para o conflito. Eleições deverão ocorrer até ao final do ano.

FLORIAN WIESER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O chefe do governo líbio reconhecido pela ONU anunciou este domingo uma iniciativa política para pôr fim ao conflito no país que prevê a realização de eleições legislativas e presidenciais até ao fim de 2019.

O primeiro-ministro, Fayez al-Sarraj, anunciou numa conferência de imprensa em Tripoli – capital, sede do seu governo e alvo há dois meses de uma ofensiva liderada pelas milícias que apoiam o governo rival – a criação de um “Fórum Líbio” para negociar uma solução pacífica para o conflito.

Esse fórum será responsável por elaborar um plano que conduza à realização de legislativas e presidenciais antes do fim deste ano.

A batalha por Tripoli tem suscitado receios na comunidade internacional de uma escalada para uma guerra civil.

A Líbia vive uma situação de caos desde a revolução de 2011, que pôs fim ao regime de Muammar Kadhafi, com milícias rivais a lutarem pelo controlo do país, rico em petróleo.

O governo de unidade nacional, apoiado pela comunidade internacional, tem conseguido afirmar a sua autoridade na capital, Tripoli, mas não conseguiu sobrepor-se a um governo e parlamento rivais estabelecidos em Tobruk (leste), apoiados pela milícia do poderoso marechal Khalifa Haftar.

Sarraj afirmou que todos os líbios que “pedem uma solução pacífica e democrática” podem participar no diálogo proposto, mas que “não há nele lugar para os que procuram a tirania e a ditadura”.

O primeiro-ministro apelou às Nações Unidas (ONU) para apoiar o processo e para supervisionarem as eleições, e pediu uma investigação internacional a alegados “crimes de guerra e crimes contra a humanidade” cometidos durante a ofensiva de Haftar contra Tripoli.

A ofensiva, lançada em 04 de abril, já fez pelo menos 653 mortos, 41 deles civis, e mais de 3.500 feridos, segundo o mais recente balanço da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)