Depois de Galileu Galilei ter observado a Lua ao telescópio pela primeira vez, bastaram três décadas para que John Wilkins, um dos fundadores da Royal Society, sonhasse pisar o nosso satélite natural. No ano em que o cientista italiano inventou o telescópio e viu aquilo que lhe pareciam ser montanhas e mares na Lua, ainda faltavam quatro anos para que John Wilkins viesse ao mundo. Mas o século XVII, tão vibrante em descobertas científicas, inspiraram-no a levar a humanidade mais longe. E, em 1638, planeou voar até à Lua a bordo de uma carroça, conta a BBC.

Foi nesse ano que John Wilkins assinou “The Discovery of a World in the Moone” — em português, “A Descoberta de um Mundo na Lua”. Nesse livro, citado pelo Wired, John Wilkins dissertava sobre “uma descoberta que tende a provar que pode haver outro mundo habitável nesse planeta”. “A estranheza desta opinião não é suficiente para a rejeitar, porque outras verdades absolutas já foram tidas como ridículas”, defende-se o autor. Além disso, prossegue o jovem que era também padre, “uma pluridade de mundos não contradiz nenhum princípio de razão ou fé”.

Nesse mesmo livro, John Wilkins descreve a Lua conforme os relatos de cientistas como Galileu. Para ele, a Lua é um corpo “sólido, compacto e opaco” que “não emite luz própria”. “As manchas e as partes brilhantes que podemos distinguir mostram a diferença entre o mar e a terra nesse mundo. As manchas representam o mar e as partes brilhantes representam a terra. Há montanhas altas, desfiladeiros profundos e planícies espaçosas no corpo da Lua. Há uma atmosfera, ou uma orbe de ar vaporoso, abrangendo o corpo da Lua”, retrata John Wilkins.

Ora, para John Wilkins, se toda a ciência e tecnologia disponíveis à época fossem levadas em conta, era possível deixar a Terra e pousar na Lua. Segundo a BBC, essa ideia parecia inspirada num livro publicado quatro anos antes — “Somnium” ou, em português, “O Sonho”, de Johannes Kepler, que imaginava ser possível viajar pelo espaço fora. John Wilkins tencionava tornar o sonho numa realidade e tinha um plano para o concretizar: uma carroça voadora.

Essa carroça estaria equipada com um motor acionado por uma mola que funcionaria a pólvora e que faria bater as asas nas laterais da nave. O motor continuaria a funcionar até que a carroça chegasse aos 30 quilómetros de altitude. Nessa altura, já em espaço aberto, poderia flutuar até chegar à Lua.

Quanto aos tripulantes, esses deveriam fazer uma viagem com características semelhantes às de quem passa algumas semanas a bordo de um navio em alto mar. Segundo a BBC, John Wilkins julgava que a fome não seria um problema no espaço, já que essa surgiria do efeito da gravidade nos estômagos. De resto, a mais importante das missões desses astronautas só aconteceria quando chegassem à Lua: se o nosso satélite natural fosse habitado, então os humanos deviam estabelecer parcerias comerciais com os extraterrestres.

Não tardou muito até que a ciência provasse que os planos de John Wilkins eram impossíveis. Uns anos mais tarde, em 1659, Robert Boyle e Robert Hooke descobriam a noção de vazio e como o espaço devia estar cheio dele. Também se apurou a distância entre a Terra e a Lua, o que levou a comunidade científica a compreender que viajar entre astros não era uma tarefa tão simples quanto parecia.

Foram precisos mais de três séculos para que o sonho de John Wilkins se concretizasse.