Rádio Observador

Livros

Folio 2019 vai reunir em Óbidos escritores de 11 países

1.816

Mais de duas dezenas de escritores de 11 países já têm presença confirmada na 5.ª edição do Festival Literário Internacional de Óbidos, que acontecerá de 10 a 20 de outubro.

A primeira edição do festival ocorreu em 2015, teve um investimento de meio milhão de euros e foi comparticipados por fundos comunitários

CARLOS BARROSO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de duas dezenas de escritores de 11 países já têm presença confirmada na 5.ª edição do Folio — Festival Literário Internacional de Óbidos, que acontecerá nos próximos dias 10 a 20 de outubro, segundo a organização.

O festival, que decorre este ano em torno do tema “O Tempo e o Medo”, conta com escritores como Hélia Correia, Prémio Camões, e o brasileiro Geovani Martins, o francês Mathias Énard, autor do romance “Bússola”, Prémio Goncourt 2015, e Frédéric Martel, que escreveu “No Armário do Vaticano”.

No que diz respeito a autores portugueses, segundo a organização, estão confirmadas as presenças dos escritores Alexandre Andrade, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Hélia Correia, José Eduardo Agualusa, José Gil, Lídia Jorge, Nuno Júdice, Ricardo Araújo Pereira e Valter Hugo Mãe.

Na lista divulgada esta segunda-feira pela organização, entre os 11 países representados, o Brasil é, por enquanto, aquele que tem mais nomes confirmados.

Geovani Martins, autor de “O Sol na Cabeça” e um dos mais recentes fenómenos literários do seu país, é um dos escritores que participará nas mesas de autor a par do poeta Francisco Bosco e de Paulo Werneck, editor da Revista dos Livros 451, de São Paulo.

Os franceses Mathias Énard e Frédéric Martel, Donald Ray Pollock, dos EUA, que escreveu “Banquete no Paraíso”, Ralph Rothmann (Alemanha), Arne Dahl (Suécia), Christoffer Petersen (Dinamarca/Gronelândia), Elena Varvello (Itália), autora de “A Vida Feliz”, Zeruya Shalev (Israel), que escreveu “Dor”, Marina Perezagua (Espanha), com “Yoro” e os contos de “Tempestade” publicados em Portugal, e Ece Temelkuran (Turquia), autor de “Como Perder um País”, são outros escritores que, segundo a organização, vão marcar presença na vila de Óbidos durante a edição de 2019 do Fólio.

Entre as novidades da próxima edição conta-se a escolha de jornalista Ana Sousa Dias para curadora do Folio Autores, capítulo do festival que leva à vila dezenas de escritores e pensadores para as mesas de debate. A curadoria será repartida com Pedro Sousa, da Sociedade Vila Literária, que transita da última edição.

No Folio Educa mantém-se a curadoria de Maria José Vitorino e, no Folio Ilustra, a de Mafalda Milhões. A Folia ficará, tal como na edição anterior, sob a responsabilidade da empresa municipal Óbidos Criativa, liderada por Ricardo Ribeiro.

Por último, o Folio +, o capítulo mais alternativo do festival, ficará a cargo da Livraria Ler Devagar, gerida por José Pinho.

O festival teve a sua primeira edição em 2015, num investimento de meio milhão de euros, comparticipados por fundos comunitários.

Palco de lançamentos de livros, debates, mesas redondas, entrevistas, sessões de autógrafos e conversas, entre escritores e leitores, o Folio passou no ano seguinte a ser suportado pela autarquia que, para este ano, prevê um orçamento similar.

A edição do ano passado proporcionou 831 horas de programação, envolvendo 554 participantes diretos, entre autores, pensadores, artistas e criativos, que participaram em 26 mesas de escritores, 25 concertos e 13 exposições, ao longo de 11 dias com mais de 185 atividades.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)