Rádio Observador

Açores

Mau tempo nos Açores: vídeos mostram estradas transformadas em rios e telhados pelo ar

O mau tempo nos grupos oriental e central dos Açores obrigou ao realojamento de nove pessoas na Terceira e provocou muitos estragos. As condições meteorológicas estão a melhorar mas mantém-se alerta.

A maioria dos danos registou-se no concelho de Angra do Heroísmo, com 30 ocorrências

EDUARDO COSTA/LUSA

Autores
  • Agência Lusa

As condições meteorológicas nos grupos central e oriental dos Açores, afetados pela chuva forte desde domingo, “acalmaram”, não se tendo registado ocorrências nas últimas horas, disse à Lusa uma fonte da proteção civil. Mas o estado de tempo obrigou ao realojamento de nove pessoas e há vídeos publicados nas redes sociais que mostram como algumas estradas se transformaram em rios e houve telhados a voarem com o vento.

Fonte do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) disse esta segunda-feira à Lusa, às 07h15 (06h15 hora local), que “o estado do tempo melhorou nas últimas horas, não se tendo registado chuva forte”.

Nove pessoas tiveram de ser realojadas na ilha Terceira, no domingo, devido ao mau tempo que está a afetar os grupos central e oriental dos Açores. De acordo com uma nota do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA), a ilha onde se verificaram mais ocorrências foi a Terceira, com 33 casos. A maioria das ocorrências registadas estiveram relacionadas com inundações de habitações, inundações de via, transbordos de curso de água, vários danos e quedas de árvore).

“Na zona oeste da ilha Terceira, entre as freguesias de São Bartolomeu e das Doze Ribeiras, houve necessidade de realojar nove pessoas, situação resolvida pelo Serviço Municipal de Proteção Civil de Angra do Heroísmo e pelo Instituto de Segurança Social dos Açores (ISSA)”, é referido no comunicado.

A maioria dos danos registou-se no concelho de Angra do Heroísmo, com 30 ocorrências, sendo que as restantes três aconteceram no concelho da Praia da Vitória.

Nas operações estiveram envolvidos os bombeiros de Angra do Heroísmo, que contaram com a colaboração dos bombeiros da Praia da Vitória, o Serviço Municipal de Proteção Civil de Angra do Heroísmo e a Direção Regional das Obras Públicas, sob a coordenação do SRPCBA.

Apesar da melhoria do estado do tempo, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) mantém o aviso amarelo para os grupos central e oriental até às 09h locais (10h de Lisboa).

Ainda no grupo central, que esteve sob aviso laranja até às 21h de domingo, uma derrocada de pequena dimensão obstruiu a via de acesso à Fajã dos Cubres, no concelho da Calheta, ilha de São Jorge, situação que foi “prontamente resolvida”, segundo a Proteção Civil.

No grupo oriental “registou-se a queda de uma árvore em São Miguel e a queda parcial de uma estrutura de uma unidade hoteleira que estava em reparação na ilha de Santa Maria”.

O aviso laranja é o segundo mais grave de uma escala de quatro e é emitido para uma “situação meteorológica de risco moderado a elevado”, já o aviso amarelo é o segundo menos grave e é emitido quando as condições meteorológicas representam um “risco para determinadas atividades”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)