Há muito envolvidas no desenvolvimento da tecnologia de condução autónoma, Volvo e Uber deram novo passo em frente para cimentar esta relação. As duas companhias apresentaram o XC90 autónomo com que a Uber passará a operar, já a partir do próximo ano.

O SUV em causa, conhecido internamente como 519G, destina-se a substituir as actuais unidades em circulação nos EUA, que foram adaptadas para testes. Uma delas, aliás, viu-se envolvida numa polémica depois de ter atropelado e vitimado mortalmente uma mulher no Arizona. Contudo, as autoridades concluíram posteriormente que a Uber não era culpada.

Para o presidente e CEO da Volvo Cars, Håkan Samuelsson, as tecnologias de condução autónoma são cruciais para fazer evoluir os padrões de segurança – um dos valores mais cultivados pelos nórdicos. Segundo ele, a Volvo espera que “um terço das suas vendas, em meados da próxima década”, seja reclamado por veículos 100% autónomos.

Embora tenha volante e pedais, o XC90 que está preparado para prescindir do condutor, recorre à tecnologia autónoma da Uber e integrará backups de segurança para garantir que, em caso de alguma falha primária do sistema (travagem e direcção), não é colocada em causa a segurança de ocupantes e peões.

O SUV agora dado como pronto a ser produzido faz parte de um acordo que remonta a 2016. Se desta vez nem a Volvo nem a Uber avançaram números, recorde-se que, nessa altura, as companhias indicaram que a frota de XC90 autónomos chegaria às 24 mil unidades, entre 2019 e 2021.